Skip to content

Os ddr na “Descida ao Sarrabulho 2017”

Segunda-feira, Novembro 20, 2017

1.Ontem sábado dia 18, realizou-se a “DESCIDA AO SARRABULHO”. A peculiar descida downhilleira, que começa no monte da Boalhosa, o ponto mais alto do concelho

e termina no escadório da capela das Pereiras bem no centro da vila em Ponte de Lima. É assim todos os anos na última quinzena de novembro.

Organizada pelos BATOTAS, já conta com dezassete edições e, apesar de nós ddr, já conhecermos os trilhos de cor e salteado – sempre são 12 anos -, a posição geográfica das pedras e ratoeiras do traçado – este ano um pouco melhor porque não choveu -, praticamente o mesmo desde a primeira edição em 1999, até ao pote dos rojões, alambique de aguardente e outras bebidas…reconfortantes, o espírito com que encaramos esta descida continua o mesmo, desfrutar ao máximo pelos trilhos exigentes e técnicos que a encosta do monte nos oferece e depois tirar todo o partido das burras por entre os pinheiros e arbustos nos sinuosos singles. Ccontinua a ser a prova de culto dos ddr, o tal momento zen de fim da época, de todas as nossas aventuras ao longo do ano.

2.O grupo de onze elementos, praticamente o mesmo do ano passado, com uma cara nova (Miguel), nestas andanças sarrabulhentas o Francisco Ferreira, Manuel Torre, Celestino Palmeira, Emílio Santos, Paulo Santos, Narciso Ribeiro, António Maia, Anthony Martinho, Arsénio Almeida, André Tarrio e Miguel Dias, apresentaram-se dispostos a curtir mais uma DESCIDA AO SARRABULHO, uma festa com muita adrenalina, formatada para todas as modalidades do MTB, conviverem em conjunto, onde ninguém se chateia (ou quase).

Chegados a P. Lima, cheios de larica e como a fila para o porco no espeto, era grande, a TABERNA 27, a tal tasca porreirinha de que falamos aqui o ano passado, já estava em alerta para nos receber com as suas suculentas bifanas e não os desiludimos, durante uma hora não demos tréguas à senhora do 27 a confecionar as ditas bifanas, logo tragadas pelos vorazes ddr esfomeados, bem acompanhadas com um verdinho de estalo, como que come tremoços ao fim dos treinos dêdêrrianos. Por ali nos demoramos, estava-se bem, quase nos esquecendo para o tinhamos vindo fazer a Ponte de Lima.

3.Com o estômago a abarrotar de bifanas, bem alegres, deixamos o local de concentração a tempo de assistir à partida de uns quantos heróicos sarrabulheiros, que abdicaram do conforto do autocarro para trepar a pedal monte acima e se até ao momento da partida nenhum ddr tinha intenção de se juntar aos heróicos, três ddr, Emílio Santos, Tozé e Arsénio Almeida encheram-se de brios e foram também atrás dos heróicos até à Boalhosa, chegando ao mesmo tempo dos autocarros, enquanto os restantes ddr, sob a batuta do Martinho, com a rédea solta, fomos carregar as burras no camião, antes de nos dirigir para o autocarro que transportariam os senhores das montanhas até à parte mais alta dos domínios limianos.

4.O autocarro ainda vazio foi tomada de assalto pela cambada, feliz pelo exito da concentração na Taberna 27, ter sido perfeito e, imediatamente começou a operação de charme pelo incontrolavel Martinho, naquele momento o dono daquilo tudo, a cativar com charme gaioso a destilar perfume bifano-verdasco, passageiros para o autocarro e não é que enganou uns quantos?

5.Chegados à Boalhosa, foi só descarregar as burras do camião e ala p`ro monte, para o pórtico da partida simbólica – uma das coisas boas da DESCIDA, cada um parte quando quer ou lhe apetece, com um elemento da organização a fiscalizar possíveis infiltras sem dorsal, os 650 sarrabulheiros (recorde de participantes) que estavam ali unicamente para se divertirem e curtir os trilhos. Uns metros depois a placa do costume anunciava “Descida ao Sarrabulho”, a adrenalina começava a ferver, pronta a ser descarregada, pela vertiginosa descida até à vila.

6.Os trilhos só começaram a ficar descongestionados, quando apareceram os tracks radicais e técnicos pelo monte abaixo, as mulas de raça tinham agora espaço para demostrar o que valiam e algumas demonstraram bem, galgaram destemidas sem hesitação os obstáculos naturais que lhes apareciam pela frente, proporcionando um gozo dos diabos aos montadores, atentos para serem dignos da montada, outros porém, como tudo na vida, faltou-lhes… aquela coisa para as controlar, e, foi um espectáculo até ao reforço do pote, onde a ponte esperava pelo pessoal, falsa como judas, uma tábua estreita, por cima de um charco artificial de água lamacenta, um must que já se tornou tradicional na DESCIDA, este ano ligeiramente mais comprida e mais estreita com uma pequena curva no final, desafiava todos os sarrabulheiros a atravessa-la e não adiantou nada este ano faltar o diabo com o tridente para atemorizar os desprevenidos bettistas a mergulharem na água lamaçosa, no entanto o diabo esteve presente, travestiu-se de ddr, encarnando no Tozé que nas águas revoltas com vista p`ro pote dos rejões o diabo espalhou o terror, que o diga o Martinho que mesmo dando-lhe luta, foi a vitima principal do maléfico diabo Tozé. Momento bonito

Houve mergulhos para todos os gostos, bonitos, feios, com estilo, com classe, acrobaticos, sem classe, arruaceiros, macacos, forçados, enfim foi um fartote, para gaudio de quem assistia, enquanto se comia os deliciosos rojões quentinhos saídos do pote, bebia-se vinho branco e…bagaço de um alambique propositadamente montado, p`ra animar os azarados sarrabulheiros, ficava-se na espetativa a ver se havia mais alguém a resvalar na tábua e havia, continuavam a cair como tordos, os ddr tambem contribuíram para o espetaculo com quatro a irem ao castigo. Toca a todos, de resto estávamos ali unicamente para nos divertir

7.Logo depois de arrancar para a segunda parte, uns metros à frente a organização introduziu uma rampa sobe-e-desce movível, com dois metros de altura + -, com grau de dificuldade relativo, com alguma espectacularidade, com muita gente a testar as suas capacidades circenses, uns bem sucedidos e outros nem por isso as acrobacia definitivamente não era a sua praia.

Os ddr`s pedalavam agora por um estradão largo, tudo corria bem num dia maravilhoso mas como diz o povo, não há bela sem senão, de repente uma nuvem escura atravessou-se no caminho e fez dois ddr top, perderem momentaneamente o controle das burras, provocando uns empenositos e transfigurando uma roda num oito. Ossos do oficio, mazelas quem as não tem?

Refeitos das nuvens, prosseguimos por descidas rápidas, antes de enveredar pelos singles tracks downhilleiros ligeiramente menos técnicos que os anteriores, mas exigentes na mesma, pelo meio dos pinheiros, com os habituais cartazes com fotos sugestivas de gajas, pregados nos pinheiros ao longo dos trilhos e se o objetivo era tentar que a malta se distraísse e desse uns abraços nos pinheiros, desta vez não vimos ninguém nesses propósitos.

8.A excitação dos trilhos não acabou aqui, a entrada na vila fez-se por terrenos particulares e depois por um parque artificial de obstáculos para a pratica de desportos radicais e a seguir entramos na vila e umas centenas de metros depois descemos pelo escadório da capela das Pereiras, com muito publico a assistir ao show das escadas.

A festa tinha acabado pá!

A XVII DESCIDA AO SARRABULHO 2017, tinha terminado e, comó costume, soube a pouco.

Parabéns Batotas!!! Até 2018

PS: Dedicamos esta aventura a todos os ddr que não puderam estar presentes principalmente aos nossos ddr emigrantes

fotos dos BATOTAS da travessia da “ponte”, posteriormente serão publicadas outras sobre os ddr

Desafios

Segunda-feira, Novembro 6, 2017

Espalhados pelos campos e bouças, pedalando à vista dos muitos caçadores que nesta altura do ano pululam um pouco por todo o lado à procura da escassa caça ou fazendo manutenção às armas dando uns tiritos nas pinhas, os ddr, hoje com casa cheia, deram aso à liberdade em que o btt é pródigo e lançaram-se aos desafios, ora chapinhando na água, atravessando riachos – na verdade só dois é que o fizeram -, chafurdaram na lama e como não podia deixar de ser, partiram pedra e lenha com farturinha até mais não.

O primeiro desafio coube ao Martinho que, sozinho com a sua burra a fazer de muleta, atravessou a rigueira XXL do rio, e, como não teve seguidores e tinha o costado seguro pela água, pese embora a coragem de ter ficado encharcado até aos tomates, não o desculpa a forma incorreta como tratou mal o resto dos insignes membros dos ddr, aquilo foi do piorio, as bocas inqualificáveis que este rafeiro pronunciou da outra margem, não podem ficar impunes, a gerência tem de tomar medidas drásticas, tem de o castigar de forma exemplar, com todos os requintes de violência e malvadez, pois só assim os impolutos membros dos ddr se sentirão vingados na sua honra.

O segundo desafio, partir pedra a subir com 30º de inclinação, protagonizado pelo Tozé, esteve quase, quase a ser superado e só o não foi por causa de uma filha da…montana? Seria pontana…? De uma pedra mas, aqui o Tozé, ao contrário do Martinho, só ofendeu a pedra, a burra e a falta de jeito p`ra coisa. Fizesse como o Almeida que galgou a calhuada subida com a burra às costas como faca a entrar em manteiga.

Terceiro, atravessar um braço do rio, calhou ao Miguel, num local onde outrora o Solinho sénior, como nos contou, se esporrinhou a dar as primeiras braçadas na água suja e enlameada do rio Cávado, a principal causa de não ter chegado a top das cenas mundiais da natação. Rais parta a poluição que o tolheu nas braçadas e assim o privou quiça, de ser famoso.

Ora bem, não sabemos ao certo qual foi a causa da travessia do Miguel, presumimos que foi desafiar os patos do sapal, ou as minhocas do lodo mas, pensando melhor o mais certo foi a pancada ter reclamado que precisava de outra dose de maluqueira.

E foi deste jeito bem divertido, como nos velhos tempos dêdêrrianos, que terminamos os 45kms de treino, já a pensar na Avalanche ao Sarrabulho, daqui a quinze dias.

 

Os ddr pela Maratona da Povoa

Domingo, Outubro 15, 2017

1.Mais uma maratona concluída com êxito, desta vez foi a da Povoa de Varzim. Num dia atípico de outono com um calor dos diabos e muito pó, levantado em alguns troços do percurso pelos cascos inclementes das burras, chegando ao ponto de não se enxergar um palmo à frente do nariz, guiados pela intuição, rezava-mos aos santinhos todos, para que não houvesse naquelas descidas malucas, calhauzada de maior, pois um malhanço naquelas condições íamos de certeza ficar muito mal na fotografia.

De resto, durante a refrega de 52km na meia maratona e 73km na maratona,  houve de tudo, vencedores, duros, desviador e correntes partidas (Milo), desviador empenado (Cesar), furo (Nelson), falta de pernas, esfarrapanços, interação com amigos, picanços, para no fim passar pelo pórtico final, todos rotos, mas de ego inchado por ter chegado ao fim e vivinhos. Enfim esta maratona mais uma vez bem organizada pela Bikeservice, na senda do que já nos habituou, teve, pelo menos para nós ddr´s, tirando aqueles casos das avarias sempre aborrecidas, todos os ingredientes que uma boa maratona deve ter.

2.Mas os ddr`s do dia foram quatro: comecemos pelo campeão Eurico Cunha que depois do brilhante feito com o 2º lugar(o Benta não contou), no Transcavado em modo race, hoje voltou a repetir a proeza com um excelente 2º lugar do pódio. Grande Cunha, parabéns.

Outro ddr do dia, foi o Cesar Nogueira, que mesmo com o desviador empenado (o que o impediu de fazer a maratona), faltou assim um bocadinho, só um degrauzinho para subir ao podio e que bem ficaria ao lado do Cunha.

O outro homem em destaque foi o Tozé, que estoicamente representou as cores dos ddr`s na maratona, foi à duro e como disse modestamente no final, foi um bom treino para o Granfondo do Porto no próximo domingo.

Por ultimo os parabéns a todos os ddr participantes, que, uns mais empenados que outros, todos se divertiram, o mais importante e a essencia de todo e qualquer desporto. Venha a próxima que… muito provavelmente será em Ponte de Lima

 

Penedo Ladrão

Domingo, Outubro 1, 2017

Monte do penedo Ladrão; Monte das antenas ou monte de S.Mamede, destes três nomes o mais popular, onde está o bando nas fotos, é o de penedo Ladrão. Então o que faz e quem é esta seita em cima destes penedos conhecidos por ladrões, a perscrutar o horizonte?

Serão piratas à procura de ninhos? Ladrões nos seus habitats, no intervalo dum qualquer assalto a apanharem sol como os lagartos? Familiares do Zé do telhado armados em Robins dos montes? Assaltantes à espera das presas dos indefesos atletas do Trail da Guarita que àquela hora passavam por ali? Também não, até porque este bando, poucos minutos antes de arribarem ao cimo deste monte penedo do Ladrão, foram tão magnânimos com estes atletas, que puseram os bidons da água das mulas, à disposição dos valentes traialistas que, sem gota do precioso liquido nos seus cantis, mitigaram-lhes a secura, antes que morressem de sede.

Não, não e não, nada disso, são um bando de duros de roer  no intervalo de mais um treininho fodido à moda dos ddr.

ddr`s & ddr

Domingo, Setembro 24, 2017

1.Em dia dos 5 Cumes, tambem andamos por lá, outsiders, a farejar, até onde a nosso olfato nos levou e aos ziguezagues levou-nos até Pedra Furada precisamente um dos locais, por onde passava o trilho da famosa maratona btt dos 5 Cumes e, esta-se mesmo a ver, como autómatos enveredamos como cordeirinhos, guiados pelas fitas ecológicas, reciclaveis das marcações que Os Amigos das Montanhas engalharam nos pinheiros e onde lhes deu mais jeito, pelo traçado desenhado a ver o que o ultimo dos cinco cumes reservava aos arrojados betetistas  que escolheram brincar ao sobe e desce, desde o Facho até à Franqueira, antes dos derradeiros 8kms, que seriam bem speedados até à meta. E não foi pera doce, como tivemos oportunidade de verificar, bom, pelo menos para nós.

Embora já conhecessemos todos os montes de outras participações, esta ultima subida da Franqueira, com muita pedra solta, técnica, exigiu muito do caparro.

Fizemos a escalada do ultimo cume, como calhou e como teve de ser, ou seja, até chegarmos ao cimo, revezamo-nos entre o cavalgar e o apear da mula, tendo, até terminar, esta subida estuporada provocado uma secura dos diabos à maior parte da seita que não teve outro remédio senão reabastecer no bar do largo da igreja da Sra da Franqueira.

Terminamos em beleza a invasão pirata aos 5 Cumes, pelo espetacular single track de Barcelinhos  até à ponte velha, depois até à meta instalada no campo da feira, foi um instante, sem meta para nós obviamente. A nossa maratona d`um Cume estava feita.

2.E se hoje os ddr`s correram por fora, tambem estiveram representados ao mais alto nível na maratona dos 5 Cumes, pelo GRANDE DDR CESAR NOGUEIRA, que fez os 73kms e subiu os 5 montes, com uma classe do caraças, terminando num honroso 4º lugar na classe e 31º na geral. PARABENS campeão, és mais um duro a fazer parte – já há muito tempo -, da celebre galeria dos campeões dos Duros De Roer

 

 

DDR pelo Transcavado 2017

Domingo, Setembro 17, 2017

1.Pronto, os 4 indomáveis duros de roer, Chico, Milo, Bruno e Tozé, que em modo Slow Race, ontem arribaram a Vieira do Minho, com um valente empeno, hoje deram à costa em Esposende muito menos empenados e vivinhos ds silva e nem o atentado ao desviador da mula do Milo, que ficou todo enrodilhado, quando iam bem embalados, foi impedimento para chegarem ao pórtico da fama, defronte do estuário do rio, a horas decentes para serem glorificados por tamanho feito, cuja bravata teve inicio na serra do Larouco a 1525m de altitude onde nasce o rio Cavado, o padroeiro de toda a “desgraça”, durante dois dias pelos 160kms de navegação btt GPS.

E assim, os nossos valentes duros, já agraciados com a medalha finisher a atestar, que, sim senhor, eu a partir de agora, também faço parte do grupo restrito que se esfarraparam todos, pelo percurso durissimo do Transcavado, foram encontrados longe da ribalta, com a marmita do almoço, sentados na berma do passeio, transfigurados com mascaras de pó, ainda a processarem o que lhes tinham acontecido mas, com olhares e sorrisos matreiros que só eles saberão desmistificar o que realmente se passou.

 

2.Bom, agora um bocadinho mais a serio, os verdadeiro campeão disto tudo, do Transcavado 2017, em modo Race, foi o GRANDE DDR EURICO CUNHA, pese embora o terceiro lugar na geral, p`ra nós foi o grande vencedor, que com um tempo canhão fez os 160kms com 3500 d+ em pouco mais de sete horas, só ao alcance de grandes campeões como é o caso do Cunha. Nós míseros ddr que fugimos à liça e ficamos em casa, em vénia te saudamos, oh grande gladiador das montanhas, assim como a outro ilustre campeão CELESTINO FARIA, que limpou o Slow Race em primeiro lugar, com muita categoria.

A todos os ddr`s que participaram no Transcavado 2017, PARABENS e aos nossos amigos X-par`s e aos Gilmonde btt, para quem os desafios nunca são difíceis e é sempre com gosto quando os encontramos na mesma luta.

 

3.Duas notas: a primeira para o Otávio Sá para lhes desejar rápidas melhoras, do tombo sofrido na serra do Larouco e a outra para o nosso ainda ddr Nelson Miranda, que em plena prova de Race, foi forçado a abandonar devido a dores nas costas. As melhoras grande Nelson.

 

 

 

Ao fim de tantos anos a ….

Segunda-feira, Agosto 28, 2017

Ontem, sábado dia 26, o Mailo e o João, quais leões duros de roer, foram para Cabeceiras de Basto fazer as “3horas de resistência btt noturna”. Muito bem, somos obrigados a aplaudir a sua determinação depois de uma semana tão intensa, e hoje o Mailo – o João teve mais que fazer -, apresentou-se no Rafas fresco que nem uma… alface, mostrando que é um puro duro, que prefere espordinhar-se no pó e mandar-se p`ro chão do que ficar na cama a reparar as erosões musculares da Resistência.

Da burra Cannondale é que não podemos dizer o mesmo, pois notou-se, durante o treino que ainda não estava totalmente recuperada do efeito atordoante, de ter feito tantas voltas. Se calhar, dizemos nós, que somos más línguas, foi por ter dado as voltas sempre para o mesmo lado e quando a Tãnia Serra…pois é, roam-se de inveja ddr`s molengões que ficaram a dormir ou com o rabo alapado a beber cerveja, por terem faltado ao treino deste domingo, porque hoje tivemos a presença de uma atleta “biker” de top, quer em beleza, quer em performances de pódio, ou lá perto. Ao fim de tantos anos a ajarbadar por todos os cantos deste rincão do planeta, sem rei nem roque eis que chega alguém com coragem para treinar connosco e moralizar a rafeirada. É de mulher. Agora ficamos na expectativa se terá coragem para continuar a evangelizar a cambada.

Mas como íamos contando, quando Tãnia – que também fez as 3 horas de Resistência Urbana em Cabeceiras e ficou em 2º lugar na geral femininos -, perguntou ao Mailo a quantas voltas ficou, o Mailo, com a sua modéstia, respondeu que não fazia a mínima ideia e que quanto ao João, esse sim, desapareceu depressa do alcance do seu radar e nunca mais o viu. Falta saber se desapareceu para trás ou para a frente. Qualquer das maneiras, parabens aos dois pela abnegação e à Tãnia, parabens por mais um pódio.

Quanto ao nosso treino,  foram quase 50kms, bem divertidos, por trilhos masseirantes técnicos, com os costumados trambolhões à mistura, com o chefe por duas vezes a descolar a cassete devido à alta rotação pedalante até aterrarmos como passarinhos no Controverso.

2. Terminamos endereçando os parabens ao Apulia a correr pelo 1º lugar nos Picos do Monte