O (des)treino

O (des)treino

Agosto, é o mês por excelências, que a maioria dos portugueses escolhe todos os anos para gozar férias.  Nesse mês, o portuga que se prese, não quer ouvir falar em trabalho (outros não querem todo o ano) e ficam ao sol de papo para o ar na praia a tostar  como um frango de churrasco, ou em qualquer outro lugar,  sem fazer a ponta d`um corno   

Os ddr como bons portugueses não são exceção e em Agosto, a produtividade a dar ao pedal cai a pique, apesar de estar agendada alguma atividade, das quais uma ida à Snra do Minho, o grupo ressente-se sempre por esta altura, da falta de mão-de-obra, poucos figurantes aparecem aos domingos com as respetivas burras. Hoje mesmo alguns elementos avisaram para não contarem com eles já no próximo fim-de-semana, pois vão laurear a pevide para fora do perímetro de treino dos ddr`s. Nem mais

Hoje foi o ultimo treino  de Julho, antes de entrar no tal mês, de copos e coçar a micose, consta que o treino foi até Antas por um trilho até ao campo de tiro, que há muito tempo não era calcorreado pelos ddr. Não sei se o treino foi puxado, se o pessoal perdeu muitas calorias ou não.

Por motivos óbvios não participei no treino e a convite, só assisti à chegada (nem isso), em casa do ilustre ddr César Nogueira,  por isso, estou em condições de garantir  que no “ginásio”, na rua da Lagoa, onde o César e a sua excelentíssima esposa obsequiaram o maralhal com um almoço,  obrigando os sete ddr`s; Filipe, Chico, Milo Pinho, Paulo Pinho, Milo, Futre e Tóze, a dar ao dente, foi um (des)treino em grande, este sim bem puxado em que todos, mais uma vez, cumpriram com distinção o objetivo proposto pelo César e, sem medo de errar,  posso afiançar que entraram mais calorias do que as que saíram.  Reconheço que a vida de um ddr por vezes é dura.

Como já foi dito, foi uma despedida de Julho em grande, tal como grandalhonas são as novas rodas 29” da nova mula do Tóze. Sim, é verdade, para quem não sabe, o Tóze, esse estupor, trocou a sua fiel e linda burra Merida 96, por uma cavalona mal feita, igual à do Paulo Fernandes, só o nome é que é diferente Specialized.

Daqui para a frente vai ser bonito, vai. Avisamos desde já o PF para se cuidar, porque ou muito nos enganamos,  ou o Tóze não lhe vai dar tréguas em nenhuma circunstância.  Avizinha-se um duelo S-Works/Specialized, a seguir com muito interesse nos próximos capítulos.

Esta moda das 29” é contagiante, por enquanto só há duas no grupo, mas aposto que brevemente, vão aparecer mais, talvez a próximo seja eu…ups!!!…pronto… deixou de ser segredo, então aqui vai a notícia em primeira mão: meus amigos ando a kitar a minha burra “k 26”, aquela da corneta no guiador. Para ver se dá mais rendimento, só montei uma roda 29” atrás. Era bom que ficasse assim mas, por causa das costas e nas curvas é difícil de segurar, se calhar vou ter de pôr outra à frente, se assim for, paciência, perco mais rendimento mas, o costado está primeiro. Vou fazer mais testes de pista e depois logo se verá.  

Vejam a minha próxima máquina 29″ preparada para mais um teste. P`ra já estou com um problema, pois continua a fugir de frente nas curvas

5º Raid btt Rota dos Melões

Fotos do 5º Raid Rota dos Melões

22Julho2012

ALBUM 1

ALBUM 2

Este 5º Raid btt, foi mais uma prova de competência, que os “Amigos por Natureza” vem realizando em Vila Seca desde há cinco anos e que, em boa hora apelidaram de Rota dos Melões em homenagem ao excelente fruto de casca de carvalho com sabor apimentado, famoso nesta região do concelho de Barcelos, com caraterísticas únicas os produzidos na freguesia de Vila Seca.

 Recordo-me bem quando andava na escola primária, onde hoje esteve sediado o secretariado, do cuidado e empenho com que, o tio Caçudras  e o tio Jaquim Cruzinha lidavam com as plantas desde o início quando começavam a crescer, com a preparação da terra até começaram a dar fruto. Nada de pesticidas e outros químicos, só adubo orgânico, muita dedicação e como dizia o tio Caçudras “o segredo para se ter bôs melões, está no saber capa-los, é como os porcos: tem que ser capados para dar boa febra ”. Não sei se a analogia com os suínos estava certa, se o segredo estava mesmo no capanço, mas devia estar, pois recordo-me bem da satisfação de colher melões com quatro e cinco quilos de peso biologicamente puros.

Quando amadureciam, os melhores ficavam em casa, eram postos de lado em cima de palha para não pisar, a sua venda estava garantida para os fregueses apreciadores de bom melão, que tinham confiança ilimitada dos provenientes da produção do Caçudras, nem regateavam o preço e como dizia o ti António Vilar de Milhazes, com o copo de meia-canada cheio de tinto carrascão numa mão e na outra com uma grande fatia de melão “ levaste-me o dinheiro que quiseste Jaquim mas que hei-de fazer o melão é bô”. Infelizmente esses bons fregueses eram poucos para escoar toda a produção, resumiam-se a meia dúzia, por isso a maior parte tinham de ser vendidos nas festas e romarias, pois na altura ainda não se usava vender na berma da estrada como agora

Como era um puto franzino, ia na carroça do Santeiro de Lordelo, alugada de propósito para transportar o excedente da produção meloeira, com o tio Caçudras de bicicleta atrás, em vigia permanente para evitar que o Santeiro parasse a carroça com a preciosa carga, na primeira tasca que lhe aparecesse pela frente “para matar o bicho” e não chegasse a tempo de arranjar espaço para estacionar a carroça ao lado do galinheiro – improvisado pela comissão de festas para receber os frangos pretos provenientes de ofertas dos romeiros para pagar promessas -, como era costume todos os anos para vende-los pela melhor oferta na romaria de S. Bartolomeu do Mar  

Desculpem lá a divagação meloeira  mas não pude evitar, é que…os melões de Vila Seca eram e continuam a ser de facto muito bons   

Depois da primeira edição em 2008, no lugar dos Corôtos em frente à junta da freguesia, ter sido um pouco ad-hoc,  como reconheceu em conversa que tive com dois dos responsáveis da organização da prova, os dinâmicos e incansáveis, Filipe e Marcelo, desde então a Rota dos Melões tem vindo sempre a melhorar, ao ponto de ser já  uma prova de referência com créditos firmados no panorama do btt na região do maior concelho do país, sempre com lotação esgotada. Este ano mais uma vez com quinhentos e setenta inscritos,  o record, o que é bem demonstrativo do cariz  que esta prova já atingiu.

De todas as edições esta foi a primeira vez que fiquei em terra, do lado de fora a vê-los partir. Estava inscrito e com pagamento em dia e tudo, para a maratona dos 60kms mas, uma semana antes, um espalhanço da altura de 4 metros com aterranço  de costas em cima de uma esteio de pedra, quando andava armado em trolha a limpar caleiros, obrigou-me a ficar quietinho (quietinho é como quem diz…) e a continuar assim durante mais uns tempos até o costado ficar reparado.

 A minha burra Jolly é que não achou piada, ter de ficar mais um fim de semana encostada às boxs, a ver a mula lazarenta do Filipe a levar o dorsal 181 que lhe estava prometido, e, mais uma vez amuou. Coitada eu até a compreendo, ela não é burra de aviário, gosta de andar por aí de crina ao vento mas, que hei-de fazer? De momento não a posso montar. O Nelson até se ofereceu para a cavalgar mas recusei, era arriscado, tive medo que a Jolly arreasse das patas com o peso de sete arrobas na garupa 

Mesmo sem a minha burra, não pude deixar de estar presente, mais que não fosse pelo valor afectivo que me liga ao lugar onde nasci e passei a minha adolescência. Andei por ali armado em fotografo com o display do meu smarphone partido que se solidarizou com o meu costado, aquando do espalhanço arreliador, conversando com uns e outros. Na primeira fila da linha da partida, muitos pesos pesados do meio bettista e de estrada, destacando-se a armada do CDC de Navais com muitos atletas, capitaneada pelo campeoníssimo Manuel Zeferino, uma referência, como toda a gente sabe, sobretudo no ciclismo de estrada.

 Estava também na primeira linha, o campeão regional de btt, o grande  Rubem Nunes e outros dos quais: Aurélio Reis, Abel Machado, Emílio Araujo, Luís Neves, Paulo Fernandes ponta de lança dos ddr`s, Helder Santos, Nuno Martins dos Amigos da Montanha, um pouco mais atrás os pesos-pesados dos X-par: Celestino Faria, Eurico Cunha, César, Vasco, Joel, para só mencionar estes, e depois, os ironmen ddr`s Filipe, Bruno e César, enfim  um naipe considerável de atletas com provas dadas no ciclismo

Depois da partida fui vê-los ao km 15, com o Ruben Nunes no comando da subida da pedreira até aos Frades, onde estava a separação dos 30 e 60,  e ala para a meta, se queria chegar a tempo de ver os primeiro da meia-maratona a chegar

Ao fim de pouco tempo eis os primeiros: Celestino Faria seguido pelo Eurico Cunho dos X-par , com o formidável tempo de 01h14. Parabéns campeões

Quanto aos DDR´s o Tóze foi o 45º com 01h40 e o Filipe com a sua Merida de 15kg e 70.000kms como disse o Bruno, a fazer o 60º tempo com 01h45

O primeiro a terminar a maratona foi Jorge Salgado do CDC Navais com 02:37, que “beneficiou”  duma queda do 2º classificado Ruben Nunes da Propedal a poucos metros da meta, sendo o terceiro Aurélio Reis de Creixomil, todos no mesmo minuto do primeiro

O DDR´s Paulo Fernandes depois de andar perdido algum tempo no meio de um campo de milho foi 20º com o tempo de 03h04, curiosamente repetiu o 20º lugar do ano passado  e o César  Nogueira 42º e se atendermos que só se treina uma vez por semana o tempo de 03h29 que demorou a fazer a maratona foi excepcional. Quanto ao Bruno Monte ainda não foi desta que terminou a Rota dos Melões, tal como no ano passado, foi forçado a desistir com a bike partida ao km 44

Parabens DDR`s, por terem suado a camisola e tão bem dignificado o grupo

No sector feminina da maratona o CDC de Navais dominou a seu bel-prazer, com a Joana Barbosa mais uma vez a limpar toda a concorrência com o tempo de 3h06, seguindo-se a Ester Alves com 03h25 e a Marisa Santos com 03h33

Parabens também X-par`s  pela brilhante vitória e ao X-par mais baboso de todos, o “Pierre”, por ter concluído os 30kms na companhia da sua filhota. Notável o 262º lugar alcançado por uma miúda com… doze anos?…treze? Deixando para trás Catorze participantes. Parabens Ana Claudia és uma campeã. Lá diz o ditado: filha de peixe, sabe nadar

Uma referencia também para os ASP de Fão e em particular ao Milo com o 12º tempo a 16  minutos do vencedor. Parabens

Para terminar os ddr bttApúlia, endereçam os parabéns a todos os elementos dos Amigos por Natureza, que se empenharam a fundo (e nós sabemos bem o trabalhão que dá organizar uma prova com esta envergadura) e terem proporcionado um dia de festa excelente ao pessoal do btt.

Não sei porquê mas tenho a impressão que também participei no 5ª Raid btt da Rota dos Melões

Vigilância ativa

por: Bruno Monte

Vigilância ativa

Olá camaradas betetistas, uma injustiça muito grave está a acontecer para com os nossos bombeiros e após uma experiencia no terreno com estes operacionais penso poder falar um pouco e alertar desse facto.

Na madrugada de 18JUL para 19JUL uma equipa de 54 militares foi empenhada num incendio no conselho de Tomar perto de Sabacheira eu era um desses 54 militares e Oficial de Ligação entre a Proteção Civil e os militares no terreno. Estive em grande parte da área ardida, no local dos 2 pelotões e a maior parte do tempo no posto de comando. Conheci homens e mulheres que não dormiram, não tinham horas para as refeições, empenhavam-se de corpo e alma na ajuda às populações…só que não se podiam dividir ao meio e fazer mais um bombeiro, eles fazem o que podem onde é mais preciso, por vezes sabem que existem outras áreas que precisam muito do seu apoio, mas não podem deixar um trabalho a meio e ir para outro. Peço a todos que compreendam estes homens e mulheres que arriscam a vida pelo bem comum e pelas populações onde prestam apoio, saúdem-nos e agradeçam mas não os culpem, peço-vos. Assisti a uma corporação de Portalegre, entre outras, que saíram deste incendio e foram para Tavira para outro a 500km, quase sem descanso.

A todos os betetistas peço um apoio fundamental, chama-se vigilância ativa, vocês passam pelas matas, por caminhos onde mais ninguém passa, onde os bombeiros não chegam, quando chegarem a um picaroto onde têm vista sobre uma grande área observem, se virem alguém suspeito, algum foco de incendio, não hesitem chamem as autoridades.

Vamos contribuir para ajudar estes homens e mulheres que arriscam a vida por nós, vamos saúda-los e aplaudi-los e não culpa-los por aquilo que criminosos fazem, que é atear fogo.

Uma grande Saudação aos nossos bombeiros pelo seu esforço e dedicação

…………

Muito bem Bruno.Uma saudação também para ti de todos os ddr`s, por ajudares a combater a praga dos incêndios que todos os anos assolam o nosso país.

Estamos todos de acordo e solidários com o esforço dos bombeiros que dão o corpo ao manifesto até ao limite e se tivermos em conta que a maioria das corporações são voluntárias, ainda mais é de enaltecer o caracter altruísta destes homens e mulheres que não raro pagam com a própria vida para ajudar…outras vidas, não é por acaso que o lema dos bombeiros é: “vida por vida”. Ainda há poucas horas foi noticia a morte de mais um bombeiro (uma bombeira, neste caso), que faleceu quando se dirigia para combater mais um fogo. É nisto que devemos refletir

É certo que por vezes os bombeiros são criticados por demorarem “muito” tempo a chegar ao local do sinistro mas, também temos de compreender o contexto em que essas criticas são proferidas. Todos nós sabemos que não é fácil raciocinar direito quando vemos as chamas a aproximarem-se das nossas casas e outros bens. Um minuto parece uma eternidade enquanto não aparece socorro e então em desespero critica-se os bombeiros por demorar “tanto” tempo. Quando assim é, os bombeiros não ligam e até compreendem, grave é quando se critica de forma gratuita, só pelo prazer de criticar ou por protagonismo mesquinho entre departamentos

Louvo a tua ideia, por falares sobre neste tema, infelizmente tão atual pela calamidade dois incêndios que tem fustigado e continuam a fustigar o nosso país. Por isso nunca é demais sensibilizar o pessoal das bikes e todos em geral, para estarem atentos enquanto pedalam pelos pinhais. Alertar imediatamente quando virem alguma coisa suspeita ou susceptível de provocar fogo e ou outras calamidades, é um dever cívico de todos

Pela nossa parte, os DDR`s, estarão vigilantes, como sempre estiveram

Uma saudação e o nosso apreço aos bombeiros de Portugal e do mundo inteiro

Pérolas de sabedoria

por: Francisco Ferreira

O treino de domingo

Pois então como todos os Domingos o encontro acontece no café Rafael, onde só apareceram meia duzia de DDr`s (poucos, mas bons).
No fim de tomar-mos o cafezinho matinal para nos levantar a moral, lá começamos a montar as nossas burras, mas desta vez para dentro da carrinha do Chefe e aí seguimos em direção a Viana até ao Rio Lima.
Estacionamos as Carrinhas do Filipe e do Cesar e começamos a tirar as burras e a monta-las, rumo a Ponte de Lima pelo trajeto da Ecovia sempre à beira rio, com uns empurrões aqui e ali, mas nenhum caiu até chegamos a Ponte de Lima. Como o tempo estava quente, fomos direitinhos  e sem nos perder à tasca da D. Marcia, que desta vez e para variar ficamos na esplanada, com umas canecas de sangria que tavam uma maravilha e fresquinha e acompanhadas de umas  chamuças como reforço.
Na vinda nada a comentar e rumo a casa mas ainda houve tempo para fazer uma escala no café da Ilha.

Os participantes
Filipe ,Xico,Futre Milo, Milo Pinho, Cesar e Filipe” Fausto”, candidato a proximo DDR?

15julho2012

A minha Jolly estando um fim-de-semana sem cavalgar como aconteceu neste domingo, fica insuportável, e, então ontem quando soube que as outras burras, foram pastar para os lados de Ponte de Lima e ela não, foi demais. Para a acalmar, tive que passar-lhe a mão pelo pêlo e dar-lhe um banho para relaxar – coisa que não acontecia desde Santiago -, embelezei-a depois com uma lata de óleo/spray, ela é muito vaidosa e gosta que lhe untem muito bem as correntes, depois sim, montei-a e fomos dar uma volta mas, foi por pouco tempo, ao fim de um quarto de hora tive de voltar para trás, os paparicos de nada valeram, ela continuava dura e violenta ao ponto de não me deixar sentar na sela. É assim a minha Jolly. Voltei para casa chateado e para me distrair fui basculhar no meu baú abandonado há long time e, foi então que encontrei estas pérolas de sabedoria:  

As calorias

são pequenos animais que moram nos roupeiros e que durante a noite apertam a roupa das pessoas.

Os problemas do nosso país são essencialmente agrícolas

 excesso de nabos; falta de tomates e muito grelo abandonado.

O trabalho

fascina-me tanto que às vezes, fico parado a olhar para ele.

O Casamento

é um relacionamento a dois, no qual uma das pessoas está sempre certa e a outra é o marido.

A mulher
está sempre ao lado do homem, para o que der e vier;

Já o homem está sempre ao lado da mulher que vier e der.

Se fores chata as tuas amigas, perdoam;
Se fores agressiva as tuas amigas, perdoam;
Se fores egoísta as tuas amigas, perdoam;
Agora experimenta ser magra e linda!
Tás FEITA!

O amor
é como a gripe, apanha-se na rua, resolve-se na cama!

A falta de sexo
provoca amnésia e outras merdas que agora não me lembro…

Portugal
é um país geométrico: é rectangular e tem problemas bicudos discutidos em mesas redondas, por bestas quadradas!

A diferença entre Portugal e a República Checa
é que esta tem o governo em Praga e Portugal tem a praga no governo.

Não procures o príncipe encantado
Procura, antes, o lobo mau: ouve-te melhor;
vê-te melhor e ainda te come.

Toda a gente se queixa
de assédio sexual no local de trabalho.  Ou isto começa a ser verdade  ou então despeço-me!!!

A mulher do amigo
é como a bota da tropa; também marcha!

O cérebro
é um órgão maravilhoso.
Começa a trabalhar logo que acordamos e só pára quando chegamos ao serviço.

O teu computador
é como uma carroça:
tem sempre um burro à frente!!!

Os trabalhadores mais incapazes
são sistematicamente promovidos para o lugar onde possam causar menos danos: a chefia

Qual a diferença entre uma dissolução e uma solução?

Uma dissolução seria meter um político num tanque de ácido para que se dissolva.
Uma solução seria metê-los a todos.

Chocolate
não engorda, quem engorda é você.

l

Pedalando por aí…

por: BRUNO MONTE

Pedalando por aí…

Realmente já estamos noutro fim-de-semana e eu ainda ser ter cumprido o que ficara assente: relatar o que foi o nosso “treino” de domingo passado dia 1. Só não o fiz antes, porque tive um começo de semana bastante atribulado, incluindo uma prova de btt da brigada mecanizada com cerca de 50kms non-stop, da qual, modéstia à parte, me saí bastante bem graças, em parte,  aos treinos “puxados” com os ddr`s  de que tenho sido “vitima”.O honroso 7º lugar em cerca de trezentos e tal participantes  não foi nada mau, se tiver em conta que alguns dos que ficaram à minha frente, tem provas dadas a nível nacional no duatlo.

Mas como diz o ditado, mais vale tarde do que nunca.

Como de costume reunimo-nos no rafas, um a um lá foi aparecendo malta para o treino. A 1ª surpresa foi o Tóze  no rescaldo da abertura do PACHA estar no rafas bem cedinho, provavelmente depois do S. João fez um voto de abstinência…

A 2ª surpresa foi o homem que não cortava o cabelo à 25 anos (apenas cortava as pontas espigadas), o ter feito este fim de semana, até parecia que ia voltar para S. Jacinto (unidade militar em Aveiro). Além disso tinha uma tatuagem na perna extremamente vistosa, era prateada ou branca, algo do género.

Em direção à tão “famosa” subida  do “Real” em Cedovem onde alguns mais malucos atalharam mesmo antes dos restaurantes por um terreno carregado de vidros e porcaria, por sorte ninguém furou. Chegados à terra das Clarinhas 3, os semi doentes por descidas apanharam umas escadas ingremes em direção à nacional 13 e nada lhes passou pela cabeça que não fosse descer…o Tóze mais sensato ainda pensou duas vezes mas, lá foi ele. 

E então passamos a ponte em direção a Esposende, Palmeira de Faro, andamos às voltas por Gemeses numa espécie de trilho, acho que era mesmo um escoamento de água, fomos a Vila Cova onde subimos, subimos e subimos, foram 3 km apenas com uma ligeira inclinação a favor e… lá se foram os últimos restos de “taurina”. Então chegados a um cruzamento, o pessoal viu numa rocha uma palavrinha mágica, Feitos, e lá nos lembramos, Verão, calor…porque não subir mais um pouco e dar um mergulho na poça de Feitos? E aí fomos nós, fazendo mais uma bruta subida e uma descida louca até à dita poça. Quando lá chegamos pelo lado jusante da cascata, pelo singletrack onde durante o caminho ouvimos um relinchar, ainda pensei que fosse um certo ddr mais atrasado a mandar vir…mas era mesmo um cavalo, ou um dinossauro para aqueles que pertencem à LAC (Liga Anti Cavalo). Chagados à cascata o Narciso arranjou logo um 31, ou não, depende do ponto de vista, tinha o selim a apontar em direção a um local escuro e sombrio onde gazes com enxofre abundam…imaginem só, a sorte é que alguém tinha ferramentas para arranjar a coisa, pois se não todos iam pensar que estava assim de propósito 😀

Na lagoa essa tão belíssima cascata começaram as maluquices, enquanto uns mais tímidos nem as luvas tiraram com medo de apanhar uma constipação, outros nem pensaram duas vezes tiraram tudo o que tinham e não tinham vestido e mandaram-se aquelas águas de temperatura “amena” (devia estar a uns 8º ou menos), esse tal atleta ddr despido de vestimentas com aquela água fria que tudo encolhe e com aquela juba já parecia um espécimen do género oposto, só um pouco mais feio. Muitos interesses despertaram aquele bumbum, como diz o brasileiro. Algum pessoal em desespero ao ver aquilo ganhou coragem e heroicamente fez-se às águas “amenas” da lagoa, escapou por sorte, ileso e sem ferimentos, corria sérios riscos de ficar cego de um olho.

O dito nadador salvador de praia de água doce, que comprou à pouco tempo uma lambreta,  não sei se pelo bumbum se por maluqueira e ao fim de muita hesitação molhou as pontas dos pés e com um empurrãozinho moral da rapaziada deu um mergulho, saiu da água em estado de choque, nem conseguia respirar…tal era a maravilhosa temperatura da água.

O nosso tão ferrenho sportinguista desta vez ficou-se pela garganta, tanto diz que andou na tropa mas, recusou-se a ir ao charco – ai se o agora Coronel (que ele bem sabes o nome) sabe disto, ainda pensava: a tanto charco o convidei e ele sempre foi e não me conhecia de lado nenhum -, os amigos que ele tão bem conhece convidaram-no e ele recusou-se, que tristeza. Fica para a próxima…

Após este belíssimo momento de confraternização ddr, com a fome a apertar e a sede nem se fala, fomos convidados pelo nosso ilustre sportinguista (para se redimir) a uma petiscada em sua belíssima e bem decorada casa. Ao entrar a famosa burra especial de corrida em carbono chamou logo a atenção, ao lado alguns dorsais das provas e uma bela recordação de tempos áureos onde se imaginava o “Lazlo boloni”, com um grupo de terroristas a seu cargo, dos quais eu também fazia parte; agora fora de brincadeiras e com muito respeito foi um tempo onde aprendi muito, a ter um pouco de humildade e parte daquilo que sou hoje como homem devo aos ensinamentos do mestre Futre nesses meus tempos do futebol no GD Apúlia. Vai daqui um muito Obrigado (não podia reinar com este ilustre sportinguista, os elogios são sinceros).

Mas continuando, aquele Martini, por aquilo que alguns leram parecia taurina,  daí a pujança, mas estava tudo muito bom, temos que agradecer ao Futre e à sua senhora pelo petisco e dizer que este domingo se ninguém se opuser será em minha casa…

Os atletas presentes Filipe, Milo Pinho, Futre, Narciso, César, Tóze e Bruno…

….pegando na deixa do Bruno, o treino d`hoje foi mais ou menos igual  ao da semana passada, como o Bruno acabou de descrever na sua excelente crónica, no entanto houve algumas substituições dos artistas: saíram César e Tóze e entraram Chico, Paulo Pinho e Ivo e o reforço  desta vez foi em casa do Bruno e como equipa que ganha não se mexe,  continuou com a mesma tática do domingo passado em casa do seu ex-treinador de futebol. Meus amigos, a continuar assim – uma tasca diferente em cada domingo -, até terminar a ronda calórica, vamos ter que encurtar o tempo de treinos, senão não temos tempo de degustar o produto final

Carrega aqui para ver dêdêrrices

Uma foto do  sportstracker do nosso giro deste domingo e o traçado e a classificação da prova de btt da brigada mecanizada do Bruno. Os ddr`s estão orgulhosos do teu feito, por fazer de ti uma fera do pedal. Bruno! Agora que os resultados estão à vista, valeu ou não a pena teres investido nos ddr, com elos de engate, câmara-de-ar, meias e sei lá que mais? Se quiseres evoluir mais, tens de continuar a apostar nos ddr, com outros materiais mais resistentes, por ex: pneus e vais ver que em pouco tempo és o nº 1

…até aos Feitos

01 Julho 2012, de Apúlia até aos Feitos e depois terminar em grande na casa do ilustre ddr Futre

O Bruno, decerto contrariado por afazeres mais nobres de ultima hora, digo eu, não relatou, ainda, como combinado, as pantominas do ultimo domingo, sobretudo as da lagoa/poça de Gemeses e o Tóze recusou com medo de represálias, ceder o vídeo com o banho em pelote do Milo, sem que este se importa-se com a sua publicação (porquê?). Claro que a parra já estava preparada para tapar as poucas-vergonhas do Milo, não queríamos envergonhar ninguém, a que os sete ddr`s: Filipe, Milo Pinho, Futre, Narciso, César, Tóze e Bruno, assistiram indiferentes ao também indiferente Milo que se comprazeu regalado na água, enquanto outros entravam e saíam passado pouco tempo porque a água estava gelada
Assim vamos ter que nos contentar com este vídeo mais soft com linguagem hard 

Erro
Este vídeo não existe
, e, para contrariar a preguiça natural deste domingo à noite para continuar a escrever, publica-se um excelente artigo (na minha opinião), que descobri quando “folheava” as páginas do Google e, além de estar publicado em vários sites de btt e ser do conhecimento de muitos ddr`s, espero que seja útil a alguém que ainda desconhece os extraordinários benefícios do btt

SAÚDE NO BTT

 Basta 20 minutos mágicos

  Se andas de bicicleta por prazer, para estar em forma, para gozar da companhia dos amigos, para ter umas pernas musculadas, podes agora juntar mais uma razão de peso a todas as outras: a melhoria da saúde. Segundo um estudo conclusivo foi demonstrado que a prática deste desporto, tem enormes benefícios para a saúde. Se ainda não experimentastes “pedalar a sério”…esta é a altura de encaixar os pedais!
“Todos os que andam de bicicleta com regularidade poupam em consultas ao médico”. Esta é uma afirmação de Dr. Proböse, presidente do Centro de Saúde da Universidade Alemã do Desporto. “Muitas pessoas que sofrem de incómodos típicos, como dores de costas, aumento de peso ou doenças cardiovasculares, podiam gozar de muitos anos de boa saúde se usassem mais vezes a bicicleta”. E o médico dá ainda uma boa notícia para os que pensam que já estão velhos: ainda que se comece com uma idade avançada a fazer exercício regularmente, os resultados serão sempre visíveis em pouco tempo.”

O QUE FAZ A BICICLETA PELA SAÚDE?

Direto ao coração e sistema cardiovascular

Se passear de bicicleta de uma forma regular reduzirá imediatamente o risco de enfarte em 50%. Com o exercício do pedalar, o ritmo cardíaco aumenta e a pressão arterial diminui: o coração trabalha economizando. Vai reduzir o “mau” colesterol (LDL), de forma que os vasos sanguíneos terão menos possibilidades de calcificar-se e, por sua vez, aumentará o colesterol “bom” (o HDL). Os vasos sanguíneos permanecem flexíveis e saudáveis se movimentar as pernas todos os dias.
Para a máxima eficiência do exercício recomendamos que faças um trabalho de intervalos com mudanças de ritmos frequentes. É o tipo de treino que mais rapidamente tem efeitos na condição física. Aquece a um ritmo suave, com uma cadência de pedalar alta, alcance o ritmo de rodagem. Depois a cada 15 minutos, intercale aumentos de intensidade de 3 a 4 minutos de duração durante os quais a pulsação irá alterar-se consideravelmente (80 a 85% das pulsações máximas).

Compensa com alguns exercícios de abdominais, contraindo esta zona com as pernas flectidas cada vez que pedalar. Assim terás na bicicleta umas melhoras das atividades para os que sofrem dores de costas. Mas há que ter em atenção aposição que se adopta em cima do selim se tiver dores. Uma má postura pode ajudar a intensificar as dores na zona lombar, prejudicando ainda mais a saúde. Deve sentir-se bem em cima do selim, caso contrário poderá prejudicar a sua condição física.

ATACANDO PELAS COSTAS

Quando se adopta a postura ótima no selim, com o tronco ligeiramente inclinado para a frente, a musculatura das costas está sobre baixa tensão e vê-se obrigada a estabilizar o tronco. Muitas dores de costas provêm da inatividade, que reduz a alimentação dos discos invertebrados e estes, por sua vez, vão perdendo a capacidade de amortecer os impactos. Além disso, a falta de exercício faz com que a musculatura das costas se vá atrofiando, diminuindo consideravelmente a função de “mola”. Os movimentos regulares das pernas fortalecem a zona lombar, prevenindo o aparecimento de hérnias discais e mantendo a
coluna protegida por vibrações e pancadas. O ciclismo estimula os pequenos músculos das vértebras dorsais (muito difíceis de trabalhar noutro desporto), ao fazer constantemente que se comprimam e alonguem com o movimento do pedalar.

FAZ UMA SURPRESA ÀS SUAS RÓTULAS

A diferença para as atividades em que existe impacto no solo, como os saltos ou a corrida é que, em cima da bicicleta, as rótulas estão protegidas, pois 70 a 80% do peso do corpo exerce a força da gravidade sobre o selim. O impacto excessivo de alguns desportos diminui a ação líquido articular ou sinovial, uma substância muito viscosa que contribui para a lubrificação das articulações, facilitando os movimentos. A bicicleta será, para alguns casos, a melhor alternativa à corrida, com benefícios físicos muito similares e sem tanto desgaste articular.

Evita utilizar relações muito “pesadas” se queres conservar sãs as suas rótulas. Tenta que a cadência do pedalar não baixe as 70 rpm em nenhum momento. Conte uma volta desde que o pedal de um lado passe pelo mesmo sitio. Neste caso, as 70 rpm correspondem a 70 pedalas. Parece muito escrito em papel, mas descansa que, no terreno, é muito fácil atingir

EVITA INFEÇÕES E AFASTE O CANCRO

Cada vez que passeias de bicicleta, está a dar impulso à potência do sistema imunológico. As células “come-bactérias” do corpo, os fagócitos, mobilizam-se de forma imediata graças ao pedalar para aniquilar bactérias e células cancerígenas. Esta é a razão pela qual se recomenda andar de bicicleta a doentes cancerosos e seropositivos. O Dr. Pröbose realça os benefícios da bicicleta para pessoas que estão no meio de um processo canceroso: “É como se as células que se encarregam da defesa do corpo despertassem mediante o pedalar de uma prolongada letargia”.

Os esforços moderados reforçam o sistema imunitário, enquanto que os de intensidade máxima debilitam-no. Se estás exposto a fatores de risco (frio, pessoas infetadas, poucas horas de sono…), não executes trabalhos muito intensos, espera que as reservas de energia fiquem equilibradas para desenvolver este tipo de esforços.

DIZ ADEUS ÀS PREOCUPAÇÕES

O cérebro fica mais oxigenado, permitindo-lhe pensar melhor. O teu corpo segrega endorfinas, as hormonas que te fazem sentir melhor, o que pode tornar-se um vício (saudável de qualquer forma).
Está provado que aqueles que andam de bicicleta regularmente sofrem menos doenças do foro psicológico como depressões, por exemplo. Pedalar é um dos melhores anti-depressivos naturais que existem.

As endorfinas, também chamadas hormonas da felicidade, são geradas com a prática de exercício físico, de forma mais notável quando se passa mais de uma hora em cima da bicicleta. Assim, já sabes: põe o alarme do relógio para uma hora e não pares de pedalar até chegar aí.
Mas se não te sentires bem, evita ultrapassar os limites já que provocará o efeito contrário no organismo.