No Rafas

No Rafas

O café Rafael (Rafas), para quem nos lê e não tem estado muito atento, é o nosso primeiro poiso de domingo antes dos treinos. Desde há muitos anos que é assim, é lá que muitos de nós tomam o pequeno-almoço, ou o cafezinho para avivar a tóla mal dormida das noites de sábado; delineamos o percurso da treinadura; cavaqueamos um pouco sobre tudo e sobre nada antes da arrancada; damos uma vista de olhos pelas gordas dos jornais enquanto não chegam os atrasados do costume e apreciamos os desenhos arquitetónicos da “J”, enfim, é no Rafas que começamos a despertar para o que advirá nos treinos agitados onde sempre acontece qualquer coisa anormal e, também foi lá que hoje três ddr bateram o recorde de duas horas ininterruptas sem dar folga às palavras até a voz doer

 Acordei  à hora combinada com o despertador, com a chuva a bater nas vidraças das janelas – pode ser só uma chuvada vamos ver – ia pensando enquanto me levantava para o treino costumeiro das manhãs de domingo

Desta vez não me equipei, primeiro fui na carrinha à civil, ver se havia mão-de-obra disponível para o treino, pois não estava interessado em repetir sozinho o treino azarado de domingo passado. Saí com a joly a olhar para mim de esguelha no canto da garagem. Enquanto conduzia pela avenida abaixo em direcção ao Rafas, com a chuva pegadinha inclemente a bater no para-brisas sem sinais de querer abrandar, ia ficando desanimado – a meteorologia que tão porreira foi para connosco o ano passado, agora virou o bico ao prego e este mês já nos tramou umas quantas vezes os treinos a meio e fim-de-semana

– Será que alguns malucos apareceram no Rafas? – Se assim for…

O  dilema persistia na minha cabeça: – lá terei de ir buscar a burra mas… com este tempo?  

DSC_0007Vi  uma TREK escostada  no «nosso» parque, sozinha, resignada à intempérie, – só pode ser do Bruno – murmurei  em voz alta, enquanto invertia a marcha para estacionar

 Mal entrei, dei de caras com dois brutos ddr sentados frente a frente num canto da sala: o César equipado à civil e o Bruno equipado a preceito, à ddr. Ao ver-me começou a barafustar furioso por ter aparecido43 mais um à civil “cambada de pã…c…um dia tão bonito…” (os óculos claros tem destas coisas) e continuou a rogar pragas e coriscos a todos os ausentes.

O Bruno sentia-se traído e tinha razão, contava com uma série de ddr`s para tomar banho em conjunto e afinal era o único guerreiro pronto a enfrentar o Tlaloc, o deus da chuva. Lá lhe expliquei que além de não poder molhar o equipamento, que também me serve de pijama e como tinha a máquina de secar avariada… e depois a minha joly não tinha “entrólhos” (o Futre explica o que é) e nessas circunstancias é muito perigoso andar de burra sem este adereço, a não ser de noite sem luz – mas isso é outra história -, o Bruno não queria saber, achava as minhas desculpas esfarrapadas e sem credibilidade, na desculpa do César acreditou logo à primeira, não sei porque não acreditou na minha, eu até publico uma foto do meu antigo pijama para comprovar.  E continuava a resmungar, com a chuva a aumentar de intensidade. Perante este cenário demasiado humido, o Bruno começou lentamente a conformar-se que o treino seria mesmo ali e…começamos a treinar: – agora falas tu, depois eu, depois os dois e os três ao mesmo tempo, sem interrupções ou intervalos, foi sempre a dar forte e feio nas palavras até os assuntos ficarem… sem assunto

Não apareceu mais ninguém, e então ao fim de duas horas e tal, demos por concluído o intenso treino da palheta e resolvemos ir cada um para seu lado. O recorde de permanência dos ddr`s no Rafas, estava batido. Os autores da proeza foram: Narciso, César e Bruno.

– Tá bonito!!!!

Hoje vamos homenagear os downhilleiros nossos conhecidos com este vídeo. Ao fim de o ver até os cabelos do dito, ficaram arrepiados:

Os números deste blog de 2012

de wordpress

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório  do ano de 2012 deste blog.

Aqui está um excerto:

19,000 people fit into the new Barclays Center to see Jay-Z perform. This blog was viewed about 107.000 times in 2012. If it were a concert at the Barclays Center, it would take about 5 sold-out performances for that many people to see it

Treino inglório

Treino inglório

Saí de casa bem apetrechado para o mau tempo: calças compridas com um buraco no joelho, fruto do ultimo mallhanço; camisola térmica; jersey do luso galaico de há quatro anos, para poupar o jersey oficial ddr tambem bastante maltratada da trambolharia; casaco, este sim, o oficial; corta-vento; capacete; luvas novinhas em folha e, aí vou eu direto ao Rafas, o ponto de reunião para o treino habitual de domingo que, a fazer fé no Windguru, não prognosticava nada de bom para dali a pouco, pois  haveria chuva e vento com fartura, mas quem se importava com isso, desde que não chovesse na hora da partida. Afinal seria só água e ar

 Para minha surpresa  fui o “primeiro” a chegar aquela hora, que não é nada habitual. Enquanto beberricava o café ia dando (e limpando), a vista pela J, algumas pessoas, sentadas observavam curiosas a minha pessoa com o capacete enfiado na cabeça, compenetrado com o material da revista, sabe-se lá a pensar o quê

Ao balcão o amigo “Bisconde”, dizia-me: “vós sois malucos… com este tempo…” – e continuava a falar no plural, como se ali estivesse mais ddr`s  além de mim.

Ao fim de quinze minutos, comecei a cogitar com as minhas luvas novinhas em folha – não deve aparecer mais ninguém do grupo das 26´- e fiz uma sinopse dos retardatários que ainda poderiam aparecer, com a arcaicas rodas 26: – o Milo deve ter ido à caça; – o Bruno não veio a casa este fim de semana; – o César foi vergar a mola para o estrangeiro; – o Mota tem mais que fazer ao domingo;- o Futre não é certo, se lhe der na moina vai jogar à bola;- O P Pinho às vezes aparece; – o Manel só quando o rei faz anos; – o Ivo anda desaparecido. Os outros pertencem ao grupo dos galáticos 27,5´ e 29´, andam comó caralho – não quero nada com eles, vou pôr-me a mexer  

Paguei o café e sai, resignado a ter  que enfrentar sozinho as agruras do tempo com ar enfarruscado a começar a deixar cair umas pinguitas, “vai ser um treino lixado”, pensei, “que se foda” e montei a burra sem rumo definido virado a Cedovem, foi quando me apercebi que a roda da frente estava em baixo, como ia fazer estrada, resolvi passar por casa para atesta-la e virei pela rua do Facho.

 Quando estava prestes a voltar à estrada, a chuva tinha engrossado, hesitei se devia continuar naquelas condições e, mais uma vez – “que se foda, vamos embora jolly” e arranquei.

Ao passar em frente do Tone da Tina, grande estrondo: o pneu da frente onde há pouco estivera a meter ar rebentou espirrando liquido/gel branco .  Pronto, o treino que mal começara, tinha acabado, não havia nada a fazer senão regressar. Agarrei na mula pelas orelhas e com a pata da frente levantada, regressei a penantes, recriminando-me por ter bufado demais p´ra dentro do pneu inocente. Cheguei a casa acabrunhado por ter terminado o treino de forma inglória, a minha consorte ao ver-me com a jolly nos braços,  ficou radiante e, com ar vingativo disse: “foi muito bem feito, por teres saído de casa com este tempo”

Agora passado umas horas, tirando aquela coisa da minha consorte me “azucrinar” o juízo e que podia ter ficado engripado, até não foi mau, aprendi a melhor maneira de meter um pneu ao sítio com pouco gel e água e a ter cuidado com as indigestas barrigadas de ar

Enchi o pneu ao meio-dia e até agora 10 da noite ainda não esvaziou. Sou um Siinhor

Aqui se publica a lista final do campeonato da cambalhota do ano passado e, parece-me que mais uma vez vai ser…como das outras vezes, os vencedores não vão cumprir com o que ficou estabelecido:

Final 2012

Já passaram dois meses da Descida ao Sarrabulho, mas este vídeo cinco estrelas muito bem realizado pelo Chico, continua atual: 

Raid das Masseiras – making

Raid das Masseiras – making

Raid das MasseirasNão tarda nada, temos aí pela terceira vez o “Raid das Masseiras” – 10 Fevereiro -, prova de btt, que atravessa várias freguesias, por caminhos arenosos entre campos de hortas de Aguçadoura, Navais, Estela, Apúlia, principalmente estas freguesias, onde existem as celebres masseiras que, para quem não está familiarizado com o termo e não mora nesta zona, é uma forma de agricultura única no mundo, só existente nestas paragens desde tempos ancestrais que consiste basicamente, num abaixamento do terreno de forma rectangular, também chamado quatro vales, com a configuração de masseira, rodeada de vinha rasteira, com o intuito de proteger as culturas das fortes nortadas, criando assim um clima de estufa e encontrar o nível freático de água doce necessário para o cultivo das plantas evitando recorrer a rega mecânica ou manual

O Raid das Masseiras, que contou com muitas centenas de participantes nas duas primeiras edições, vindos sobretudo das regiões norte e que, devido às suas carateristícas geograficas onde se insere, atrai muitos “topos de gama”, com nome firmado no panorama nacional e até internacional do btt. É uma prova algo rolante, que além de trilhar maioritariamente por caminhos agrícolas e pelas paisagens da costa litoral, à vista de inúmeras estufas, este ano vai ter single tracks espetaculares pelos pinhais dunares das redondezas.

Os ddr`s à semelhança de anos anteriores, tem dado uma mãozinha ao nosso amigo Manuel Zeferino – http://www.bikeservice.pt -, e, hoje, lá andamos nós mais uma vez atarefados a descobrir, a inventar e a limpar trilhos para a elaboração do traçado na parte norte. Os tracks deste ano, podemos afiançar, garantem diversão pura. Passamos toda a manhã a tirar pontos de azimute e por isso fizemos poucos masseirakms, mas tiramos partido da situação e como sempre acabamos por nos divertir, que ao fim e ao cabo é o que mais interessa.

Para todos aqueles, principalmente os que não moram ou conhecem mal estes lados e estão hesitantes se devem ou não participar neste fantástico Raid, deixem-se de mariquices e inscrevam-se o quanto antes. Peguem na bike e na família se assim o entenderem e venham, tem uma boa oportunidade para se divertirem e ficarem a conhecer os locais onde se produzem os melhores produtos hortícolas do país e regressar a casa carregados desses mesmos produtos. Há bons restaurantes, cafés e esplanadas com vistas soberbas sobre o mar, desde Apúlia até Aguçadoura – para só citar estas freguesias envolvidas no raid -, teem todos os condimentos para passar um dia magnifico e esquecerem nem que seja por um dia a malfadada crise, além de terem a possibilidade, sempre difícil, eh,eh, de conhecer os famosos “durosderoer” e quiçá conseguirem um autógrafo. Não se vão arrepender e, se os ddr´s, especialistas exigentes nestas coisas do btt, garantem singles espetaculares, então de que estão à espera?

Agora vejam como os ddr – quatro dos sete iniciais: E Pinho, Narciso, César , Tóze; já não estavam o Chico, Berto e P Fernande -, se divertiram hoje ao fim da manhã de trabalho “masseirante”, na nova descida downhilleira do Mailo recentemente descoberta e que para já ainda não está aberta ao público:

Domingo, 06 Janeiro – dia de Reis

(abaixo foi publicado o vídeo de 30Dez2012 Darque Ponte da Barca)

Domingo, 06 Janeiro – dia de Reis

Por causa da balburdia deste fim-de-semana, em que tive de desmontar a barraca, depois de ter recebido quase trinta marmanjos entre familiares, conhecidos e quejandos, compostos por crescidos, miúdos e graúdos, fiquei em casa com a minha burra jolly e, em vez de picar o ponto como habitualmente aos domingos no Rafas, quilhei-me a limpar os destroços de “guerra”, espalhados pelo chão e por cima das mesas, pejados de estilhaços do que outrora foram apresentáveis garrafas de vinho, cerveja, água, sumos e restos de latex dos balões, de comida colada aos pratos e nas cadeiras e, impressões digitais da sola dos sapatos desenhados no chão de tijoleira, pelos quatro cantos da barraca que pouco faltou para vir abaixo. Uma festa. Valeu que hoje, alguns ddr`s, apareceram e deram-me uma preciosa ajuda, embora tarde, ainda arrumarem umas quantas garrafas e não se fizeram rogados a darem uma boa limpeza na mesa. Por esse gesto simpático, quero agradecer desde já a disponibilidade dos meus amigos ddr`s: Filipe, E.Pinho, P.Pinho, Milo, Futre, César, Bruno e  Tóze. Obrigado. Quanto ao Berto, P. Fernandes e Diogo, fiquei desapontado, não esperava que se recusassem a dar nem que fosse uma pequena ajudinha

 E quanto ao treino, sei como acabou, mas não sei como decorreu, pelo pouco feedback que tive, o grupo deste domingo dia de Reis, foi até S. Gonçalo e ao que parece, em determinado momento  o César tentou deitar uma parede abaixo, ou seria abraça-la?

Estas noticias sobre o treino, precisam de confirmação

O Vídeo de Darque Ponte da Barca

E o vídeo do dia em que o Rui voou com os ddr`s  pelos trilhos de S.Luzia: