Skip to content

A segunda etapa

Segunda-feira, Março 4, 2013

A segunda etapa

No domingo anterior, terminamos a primeira de três etapas de um percurso maratonista a que nos propusemos reconhecer, no monte de Mariz, hoje, tivemos de fazer 15kms de pixe, para começar a segunda etapa, a partir desse ponto e por ser a mais dura das três vamos dissecar melhor a aventura d`hoje

Foi um treino porreiro, apesar de algumas trocas de artistas, formamos um grupo com o mesmo número de elementos de domingo passado. É uma festa, quando há muita mão-de-obra podemo-nos dispersar divididos em vários grupos ao longo dos percursos sinuosos e andar ao ritmo que mais nos convém sem ninguém nos chatear, ao invés de um grupo pequeno onde todos se vigiam por cima do ombro. Num grupo grande como o de hoje, se alguém parar, atrasar ou perder-se nos trilhos manhosos com vários cruzamentos, dificilmente se dá pela falta, porque a cavalaria vai em galope desenfreado, compenetrada a trepar e a descer por onde calha, como se fosse a fugir das setas dos índios emboscados como acontece no cinema. Se alguém se atrasar, tem de se pôr fino para se desenrascar sozinho, pois pode ser resgatado ou não, ou ter a capacidade de orientação do Manel

Hoje perdemos o Manel no meio do monte, perdemos… é uma força de expressão, porque o Manel nunca se perde e um grupo de quatro deu pela sua falta porque precisavamos dele para nos orientar; não adiantou telefonar-lhe porque não atendeu, voltamos para trás e de Manel nem rasto, resignados ao fim de algum tempo de espera, voltamos ao percurso inicial mas desconfiados, pois conhecendo o animal como nós o conhecemos, era bem possível que estivesse para a frente e…bingo, como por arte de magia, lá estava ele à nossa espera num cruzamento com sorriso de orelha a orelha. Por onde passou sem o vermos e como conseguiu chegar à nossa frente? Só ele é que sabe. Como disse o Paulo “O Manel para fazer uma maratona de 70 só precisa de 30kms”

Depois de terminar a subida em Mariz, feita ora a cavalo, ora a penantes e não fui só eu, aquilo não é fácil fazer de todo em cima da burra. Esta parte, embora haja pior, dá para suar as estopinhas mesmo aos PROS, oh se dá, descemos por um trilho mais ou menos bom até Creixomil, bem necessário para  recuperar do esforço. A certa altura parei para atender o telemóvel, quando recomecei nem vivalma de ddr`s, tinham-se pirado todos, restou-me, que remédio, seguir as marcas dos cascos deixadas na terra e assim continuar até atravessar uma estrada de pixe em direção a uma capela e prosseguir ao calhas, porque o rasto entretanto tinha desaparecido na terra dura. Só ao fim de uns quantos kms, próximo das redondezas do “Penedo Ladrão” em Vila Cova, voltei a encontrar  os quatro ddr`s: Chico, Paulo Pinho, Berto  Paulo Fernandes, que pela segunda vez, andavam à procura do…Manel. Da minha falta nenhum estupor rafeirante se deu conta o que, espelha bem como esta cambada funciona

Lá na frente, continuava impávido e agitado o grupo dos oito: Filipe, Milo Pinho, Milo, Futre, César, Tóze, Diogo e Seara, a pedalar furiosamente com todo o empenho de guerreiros inconformados a ver quem andava mais.

Nova subida e nova dose até ao “Penedo Ladrão”, o grupo dos cinco do qual passei a fazer parte, meteu por um trilho fodido, pouco ciclável, o pior de dois. O grupo dos oito foi pelo estradão igualmente fodido mas ciclável. Não sei quem foi o primeiro a chegar, mas todos chegamos ao cimo e quase não havia espaço, à nossa espera encontravam-se muitos caminhantes p`raí cinquenta, que resolveram também subir até ali, para espraiar a vista pelas bonitas paisagens das redondezas. Dois dedos de conversa e voltamos ao trabalho da descida

Duzentos metros depois do cimo, paramos numa fonte de água existente, para atestar os bidons e tirar uma foto onde era suposto ficarmos todos alinhadinhos, para substituir o cabeçalho desatualizado da pantalha deste blog, mas como o pessoal não estava virado para alinhaduras, antes para desalinhaduras, acabei por solidarizar-me com eles e desalinhei também, iniciando a descida sozinho com a Noeminha Merida de test-drive, no qual falarei mais à frente.

Apesar do avançado da hora, a etapa não terminou no fim do largo estradão da descida, como muitos desejavam. Atravessamos um riacho próximo da saudosa poça do Meril, à vista de uma cascata de água formidavel como nunca a tinhamos visto, e fizemos mais uma catrafada de subidas atrás de subidas, até entroncar  numa estrada de pixe e darmos por concluída o trabalho do dia nesta exigente segunda etapa e, pelo pixe, agora sim, regressamos a toda a força até à escalada apetecível do bar da ilha, com os telemóveis a chocalharem em protesto pela hora tardia para o almoço

É verdade, como a jolly passou o fim-de-semana fora de casa, ofereceram-me uma 29´´  para fazer um test-drive. Calhou ser a “big nine 3000 carbone” da Merida e o percurso d`hoje ajudou bastante a tirar duvidas – foi pena a gripalhada não me ter deixado desfrutar ao máximo a bela máquina -, a conclusão ao fim de 50kms, foi francamente positiva. Tirando as subidas, mas isso deve ser defeito do cavaleiro, no geral gostei da experiência: é uma máquina robusta, versátil, dá confiança a descer, de fácil adaptação. As rodas grandes ao principio metem um bocado de impressão mas depois desaparece. Para ter uma máquina destas de gama média alta e quiser tirar o máximo rendimento, é preciso, como disse o Milo e bem, gastar uma pipa de massa para lhe tirar gorduras, mas isso acontece com qualquer uma. Pena custar 4.000 €

Fotos de Tóze, da primeira etapa:

One Comment leave one →
  1. Francisco permalink
    Sábado, Março 9, 2013 21:11

    Já não bastava o Helder(marinheiro) se por na alheta e voltar outra vez para Angola, agora foi o Cesar o nosso ponta de lança, aquele gajo giro que pedalava de caralho, tinha uma força incrivel e bom camarada dos copos e da gente do grupo, tambem teve que fujir do País que tá todo roto e cheio de ratazanas dos esgotos que só vêem o bolso deles a engordar.Dantes o Cesar vinha todos fins de semana, mas agora como foi para as Arábias só vem daqui a 4 meses, ai que fominha…….da bike.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: