Os DDR´s na Isabelinha e… no mar

Os DDR´s na Isabelinha e…no mar

No mês de março, os ddr`s estiveram particularmente ativos, não muito a treinar (o mau tempo não deixou), mais a darem conta dos menus elaborados por iminentes chefes, todos os fins-de-semana: “Trilhos dos Moinhos a la cascata”; “Portela 8 guarnecida a furos”; “Povoa 130 com consommé de cebolas” e terminar o mês com quatro ddr´s a comer os trilhos da “ Isabelinha” em Viatodos, a terra do nosso amigo e grande ddr Nelson, que este ano esteve do outro lado da barricada e fez parte da organização desta brilhante prova de btt integrada na festas da Vila. Todas estas provas foram servidas com generosas sobremesas de lama e abundantemente regadas com sumo de nuvens da fértil colheita destes ultimos meses

Com efeito se as bikes este ano, estivessem equipadas com remos e skis, teriam dado imenso jeito para atravessar os constantes lagos e lama que ao longo dos trilhos a natureza tão prodigamente nos tem brindado mas, como costuma dizer o Chico: “dureza é dureza e nós não fomos feitos para tocar à scobia”. Mainada

Voltando à prova: no sábado dia 30, os ddr´s, mais uma vez marcaram presença no “Setimo btt Isabelinha”. Foram poucos, só quatro PROS; Paulo Fernandes, Bruno; Tóze e o Diogo e poderiam ser muitos mais se as consortes não tivessem por tradição ligar o complicador no sábado de Páscoa e obrigar um gajo, logo pela manhã (uma biulencia ao fim-de-semana quando não é para pedalar), a andar de um lado para outro como uma barata tonta, durante toda a manhã e depois desligar o complicador com a maior das naturalidades como se não fosse nada com elas. Fazem isto de propósito para lixar a vida a um gajo é o que é, que além de nos obrigar a içar cedo e ficar com metade do dia estragado, ficamos deprimidos e inconsoláveis porque quando enfim estamos libertos, a Isabelinha já foi comida e não foi para os nossos dentes e depois (no meu caso), somos convidados à má fila para irmos para o monte rachar lenha e partir pedra e obrigar a desgraçada da jolly  a chafurdar na lama até às orelhas

Pelas fotografias, (pois ainda não há noticias), os quatro PROS, parecem que se divertiram e adoptaram a estratégia de evoluírem pelos trilhos  aos pares, foi bonito assim, e temos a certeza que deram bem conta da Isabelinha e roeram-na toda até ao osso com distinção, com o Diogo, comó costume a ser o mais glutão, seguido do Paulo e depois a dupla Tóze e Bruno, com a garra e determinação que lhes é caraterística. Parabens a todos, mais uma vez serem os dignos representantes dos ddr´s e, ao nosso querido Nelson que do outro lado fez parte desta excelente organização, que apesar de não termos feedback do que se passou, acreditamos que foi bem sucedida, bastou para isso ter feito parte do staff

E se os quatro se comprazeram a comer os trilhos da Isabelinha, com todos os requintes, outros três: Filipe, Chico e Narciso, quilharam-se (havia mais mão-de-obra, pelo menos o Milo Pinho e o Futre, estavam disponíveis para darem uma ajuda), durante a tarde de sabado, ao longo de 25kms (mais 30kms para as viagens de ida e volta) a subir montes, enterrar as burras na lama, partir pedra, saltar por cima de troncos de madeira e atravessar rios e…mar, foi um fartote de tudo isto até dizer chega, para referenciar pontos geográficos e tirar notas necessárias para a logística do grande acontecimento bettista que ora está prestes a acontecer em Esposende – o Luso Galaico nos dias 27 e 28 do corrente mês

Aqui fica um cheirinho do que foi o sábado dos três DUROS:

Ps: O Futre compareceu no Rafas para o treino de domingo, à hora do costume…com o relógio atrasado uma hora

Os vídeos da Isabelinha, produzidos pelo Tóze: