Pelos bastidores do LG

1.Sabado e domingo, foram dias de Luso Galaico. Como sempre, desde há muitos anos, os ddr´s colaboraram com a organização na delineação dos trilhos assim como a responsabilidade de assinalar e policiar uma parte do percurso. Este ano tocou-nos o trilho com maior fluxo de bettistas: a meia maratona.
E, pela parte que nos tocou, demos o nosso melhor, pois nãp podia ser de outra maneira, para que não houvesse falhas e ainda prestamos assistência mecânica e física a bettistas em dificuldades com a burra empenada e com espasmos musculares e ainda a outros (a mais solicitada),cuidamos da sua hidratação para que continuassem com a moral em alta, graças aos shots milagrosos da mala térmica bem recheada do Futre. Depois, apesar da pouca dificuldade, também demos umas dicas aos mais renitentes, em como fazer a descida do single track dos Feitos em cima da burra sem medo. Os que acataram os conselhos do chefe safaram-se sem cair, os outros renitentes que fizeram ouvidos moucos, ficaram bem no vídeo do Tozé a voar por cima ou a rastejar por baixo das fitas das marcações ou abraçados aos pinheiros, that`s life.

2.Descobrir e testar a configuração dos trilhos (extreme, maratona e meia maratona), talvez não seja das tarefas mais difíceis numa prova desta envergadura, mas é seguramente a mais importante e trabalhosa que começa a ser elaborada seis ou sete meses antes da data do evento, para que depois tudo termine com sucesso. E, mais uma vez, a fazer fé no feedback dos participantes, apesar de alguns contratempos de ultima hora, da chuva caída na vespera a dificultar as marcações (e que acabaria por afastar muitos concorrentes no domingo), e de um ou outro alerta para alguma situação a evitar no futuro e outras que nos ultrapassam – disso daremos conta a quem de direito -, no geral todos os bettistas demonstravam satisfação por terem participado e quando assim é, o objetivo de proporcionar um fim de semana agradável de convívio e divertimento pelos trilhos das freguesias do nosso concelho – UM PRIVILÉGIO DA NATUREZA -, e freguesias dos concelhos vizinhos, ao fim de tantas canseiras e preocupações, é sempre gratificante e compensador sentir que valeu a pena todo o esforço despendido. Quanto a nós, ddr`s, mesmo pedalando pelo lado de fora também acabamos por nos divertir.

3.Uma palavra para os ddr que mais uma vez, já é recorrente, tão bem nos representaram nas maratonas: nos 70km em masters B o Paulo Fernandes ficou em 4º e 8º na geral; nos 45km em elites o Tiago Seara foi 3º e 8º na geral. Parabens aos dois.

4.No próximo fim de semana 3 maio, um bando razoável de ddr vai estar presentes no Douro Granfondo, prova de estrada com 2000 inscritos e uma altimetria de respeito para os não profissionais. Para quem não tiver pedalada para os 174kms, por 10€ pode inscrever-se até ao próprio dia no Douro Granfondo GOURMET e fazer uma incursão às Caves Vale do Rodo para provar vários vinhos produzidos pela casa e iguarias tradicionais e a distancia é só de 15kms e planos. Tentador, não é ddr`s? Ainda há inscrições…

Resumo dos cinco ddr, pelos “Trilhos e Courelas”

Resumo dos cinco ddr pelos «Trilhos e Courelas»
1.- se soubesse que era assim, tinha ido p`ros 75 – desabafava o Tozé quando chegou à meta na prova dos “Trilhos e Courelas” do passado domingo, depois de ter pedalado durante 50km (com um intervalo p`ras bifanas), a soltar a adrenalina pelos estradões das fascinantes planícies Alentejanas.
Resolvida a questão do vamos não vamos, dois dias antes, acabou por ganhar o vamos e no sábado a meia da tarde cinco rijos duros comó c****, Filipe, Milo, Futre, Nelson e Tozé (quinquipa pazinho), conduzidos pelo atinado César Carvalho, aí foram os cinco de abalada fazer 400km até Vendas Novas.
Chegaram à noitinha, cheios de larica como se compreende e, para matar a desgraçada, mal puseram os pés em terra atiram-se às bifanas, famosas nesta região mas que, desta vez não fizeram jus à fama, ou tiveram azar com a tasca onde atacaram, e as bifanas anoréticas desiludirão – eram tão transparentes que parecia que estávamos a comer pão com pão – dizia o Futre, obrigado a enfardar meia dúzia, para compensar duas de jeito.
Das bifanas, até ao outro dia, início da prova, o bando dos cinco contou que, o resto do dia e a noite foram horas abençoadas e dormiram como patinhos…e nós acreditamos, pois então, o facto de no início da prova terem os olhos inchados, bem visiveis nas fotos, deveu-se certamente ao pólen dos chaparros que, ao que parece por essas bandas é bastante agressivo.
Esta incursão pela primeira vez na história dos ddr a solo alentejano, tirando as bifanas da tasca (as do reforço estavam boas), correu muito bem, tão bem que ficou desde já agendada os próximos “Trilhos e Courelas” para daqui a um ano, neste local de gente boa que sabe receber os forasteiros gastronomicamente como ninguém e a organização esteve 5 estrelas ao melhor nível do que se exige a uma prova de btt, comentavam no fim os 5 do bando e que valeu bem fazer os 800kms.
E fizeram-se grandes amigos como o Batata e o primo do César Carvalho, este, o causador da vinda e anfitrião da comitiva. Em nome deles, obrigado.

2. Hoje a Rosa Cunha não foi correr nem bicicletar, logo pela manhazinha cedo, foi passear o cão pela trela…grande noticia.

3.O Martinho que está um homem de barba rija e dinâmica, apareceu e apresentou o filhote à sociedade dêdêrriana…outra grande noticia.

4.O Milo está lesionado, ossos do ofício, esperamos todos por rápidas melhoras e que volte depressa porque o grupo sem o nosso Mailo não é a mesma coisa…esta é má notícia.

5.no próximo fim de semana, temos o grande acontecimento de btt, o Luso Galaico, quem falhar esta maratona, jamais será um betetista a sério. Desta vez até na meia maratona há grandes subidas para quem quiser faze-las a pé com a burra pela mão e assim desfrutar melhor da paisagem e…chamar nomes à organização. Como habitualmente os ddr vão estar a logisticar, desta vez pela meia. Até lá, se não for antes, vemo-nos no próximo fim de semana.

fotos dos ddr nos Trilhos & Courelas, de Vitor Bigodinho – btt-TV

Atividades sem e…com motor!

Atividades sem e… com motor!
Atividade aos ddr é coisa que não tem faltado nas ultimas semanas, quer seja a pedalar, a correr, jogar futebol, andar de vespa, pescar, beber uns copos, tudo serve para manter o caparro em forma. Este fim de semana não fugiu à regra e os durosderoer estiveram comó costume divididos por várias frentes. Em Navais em mais uma prova, a 3ª, do plano promoção btt. O César, um ddr raçudo, vindo

(propositadamente?), de França, juntou-se com mais três ilustres Apulienses, Francisco Gomes, Paulo César e Gabriel Azevedo, formando um quarteto de luxo e foram fazer a meia maratona de Barcelos. O núcleo duro dos duros, tinham previsto participar este domingo na prova “Trilhos e Courelas” em Vendas Novas, a investida ainda foi feita, mas há ultima hora ficaram pela terra dos seus dominios e foram trilhar p`ra outras courelas.
Mudando de assunto.Esta semana foi bastante badalado o uso de motores em bicicletas e ao que parece segundo o jornal francês L`Equipe sempre atento ao que se passa no ciclismo, dá como provado o uso destes motores nas bicicletas de competição. Diz o autor, o engenheiro húngaro Istvan Varjas, que os fabrica desde 1998, “são totalmente silenciosos e não conseguem ser detetados pelos mecânicos”. De acordo com o jornal L`Equipe os motores do tamanho de uma pen USB, são colocados nos quadros das bicicletas ou nos cubos das rodas e são ligados ao pulsometro do corredor constituindo um auxilio suplementar quando o corredor atinge o limite do esforço como mostra este vídeo https://www.youtube.com/watch?v=G0NXGTKnwGY%5B/embed%5D
Depois o jornal dá vários exemplos da suspeita desta dopagem tecnológica como as estranhas acelerações de Cancellara no Tour de Flandres e no Paris – Roubaix em 2010, do nervosismo de Contador quando as suas bicicletas eram fiscalizadas e esteve sob suspeita no contra relógio na volta a França em 2009 e há tambem a imagem da queda de Hesjedal na 7ª etapa da volta a Espanha em 2014 em que a bicicleta fica no chão a rodar sobre ela mesma à boleia da roda traseira que estranhamente não parava de rodar a uma velocidade anormal, esta sim uma situação muita estranha, como mostra o vídeo https://www.youtube.com/watch?v=OBvgUBpJSkk%5B/embed
Estes casos de dopar a bicicleta, não acredito que dêem para brincar ao gato e ao rato como no doping em que, quem o usa por vezes é apanhado, no caso dos motores basta passar a bicicleta por um raio X e facilmente a marosca será detetado, ou não será assim?.
Quanto aos cicloturistas podem usar os motores que quiserem à vontade e naqueles passeios de domingo fazerem um figurão e provocar inveja aos seus amigos com arrancadas à Cancellara, mesmo que pesem 120kgs. Os motores são um bocadito caros 100.000€ para o modelo mais baratos ou 150.000€ para os modelos mais sofisticados mas se pensarem no retorno de serem os mais famosos na rua onde moram e depois tem a vantagem de só fazer mal à carteira, ao invés do doping que dá cabo da saúde.