Nota máxima!

Domingo, no Rafas, depois de termos bebericado descontraidamente o cafezinho, os dez duros de roer, arrancaram suavemente com o intuito de acrescentar mais uns furos à estreita cintura do  LG2018.

Mas o arranque à caracol foi de pouca dura, porque depressa deu lugar à rápida gincana pelos carreiros estreitos do pinhal de Ofir, que custou arranhadelas na cara e mãos a dois pontas de lança, pressagiando desde logo, que a manhã prometia ser de emoções à ddr, e foi.

Em Fão a burra do Milo, começou a ficar com falta de ar e, o remédio – mais uma vez -, foi a bomba da Repsol do Bouro, um clássico nos treinos do grupo ao km7, inchar os cascos das burras para aguentarem as cavalgadas despudoradas que acabam quase sempre por acontecer.

Às 10h00, muito por culpa do “ por aqui dá…”, do guia Martinho, que avaliou mal as coordenadas e nos induziu a confiar nele, teve inicio no sopé do monte de S.Lourenço, o feito que acabaria por ser histórico, da escalada à A28 por terras nunca antes calcorreadas por alguém com uma bike às costas.

À mesma hora, em Roriz, o César e o Cunha arrancavam para maratona XCM do Raid do Facho, com o ensejo de desbundarem os franzinos corpinhos viciados em altas rotações, durante 80kms por montes a totalizar 1900d+.

Os dez, depois de partir muita lenha e silvas, alcançam a A28 e prosseguem com algumas dificuldades, pela beira da vedação da AE, surpreendendo os condutores dos carros que, à vista de tantos amarelos e pelas buzinadelas que nos dispensaram, devem ter julgado que os estavamos a flashar com o radar, ou então que se tratava de uma invasão de fugitivos da casa amarela.

A vista soberba que daqui se alcançava p`ro mar amenizou um pouco a atribulada escalada.

O Martinho (o homem do dia), ufano, vangloriava-se que desta vez foi dos primeiros a chegar a S.Lourenço, onde chegamos ao fim de um km e muitas escorregadelas junto aos rails da AE e, pelo facto de sermos pioneiros a fazer aquela travessia, fomos recebidos por um admirador, varado com semelhante feito nunca antes conseguido nem sequer tentado por mais ninguém com a bike às costas, com uma garrafa de vinho do Porto e respetivos copos. Claro que a cambada rejubilou com a inesperada oferta que caiu que nem ginjas, só faltou a cereja no topo do bolo, ou seja os foguetes do Miguel como da outra vez. Emocionado este admirador anónimo, tão depressa apareceu como desapareu.

Por esta altura, enquanto despejávamos a garrafa do Porto, o Cesar e o Cunha, este, em missão de aguadeiro para com os amigos da bike zone de Barcelos, davam o litro lá p´ros lados das freguesias de Alheira e Cossourado

Às 11h00, confortados com o vinho fino, inciamos então a missão de engordar o LG. De tentativa em tentativa, por carreiros sem saída, foi assim que alcançamos o monte da Guia, a coisa não estava fácil, a geografia do terreno não ajudava.

Na derradeir tentativa, embora soubéssemos que também por ali não ia dar e não deu, deu foi em pedra como mais à frente se verá, em descida vertiginosa fomos desaguar à celebérrima pista dowhilleira da “Imagem da Senhora”.

Foi então neste local, tão bonito, com uma vistaça do caraças, que surgiu o clik, já que por ali não podiamos resolver o problema da engorda, era o momento e o local perfeito para inaugurar o campeonato da Cambalhota, há muito aguardado (interrompido em 2012), e, se bem pensamos, melhor o fizemos e o chefe deu o exemplo,  montado na burra, paparazzis apostos, o ato solene assim o exigia, o chefe deu inicio à cerimónia pela descida da Senhora e a coisa foi tão rapida e correu tão bem, que passado vinte e dois segundos o chefe inaugurou o campeonato da Cambalhota à cabeçada, sendo o primeiro da lista de melhor marcador com a pontuação máxima, 10 pontos. O video da cerimónia A Cambalhota

Ganda chefe, o seu exemplo será adotado, como prometeu o Martinho, para o filhote não fazer birra com a sopa, bom, acho que não foi bem estas palavras mas a ideia foi mais ou menos a mesma.

Ddr`s, depois desta linda cerimónia, esperamos que todos sejam dignos de constarem na lista e que se esforcem ao máximo para seguir o exemplo do chefe, lembrem-se que no fim do ano será premiado com o trofeu Cambolheteiro aquele que obter mais pontuação.

Três horas e meia depois, da saída do Rafas, estávamos de regresso à base, a missão não foi cumprida, ficou adiada para outra oportunidade, mas lá que nos divertimos, divertimos.  O César e o Cunha ainda teriam de esgravatar os últimos dos 80kms.

Obs: no Raid do Facho, o Cesar terminou em 5º da classe e o Cunha em 35º. Parabens campeões

 

Tá feito

Tá feito! O rascunho do percurso das maratonas da 16ª edição do Luso Galaico 2018, a prova de btt mais carismática de Portugal a realizar nos dias 21 e 22 de abril, em Esposende, está feito e, aqui fica o aviso, é obrigatório a todos os amantes do btt que gostam de uma boa descarga de adrenalina e diversão por um percurso fantástico, com três partes multiformes, que só uma bike de montanha proporciona – a meia maratona à semelhança do ano passado será totalmente pelo concelho de Esposende, a maratona engloba também os concelhos vizinhos – a inscreverem-se, depois não digam que não avisamos.

Mas, os ddr nem só tem andado por aí atarefados a injinheirar caminhos e carreiros para o LG e a dar uma mãozinha a outras provas nomeadamente ao Raid das Masseiras como já foi amplamente postado aqui, e, outras coisas mais, também participamos em diversas provas, estivemos representados ao mais alto nível no “Raid btt da Junqueira” pelo indómito ddr César Nogueira que terminou num excelente 5º lugar na sua classe.

Na durrissima prova “NGPS Rota do Mel”, onde se destacou a subida à Senhora da Graça e Fisgas do Ermelo, pelos durázios ddr Bruno e Tozé que ainda por cima foram enganados, pois levantaram-se muito cedo para nada, porque o “Rochinha” esse inefável malandro, quilhou-os bem quilhados porque só arrancaram via Mondim de Basto, passado duas horas da hora prevista. Então Hugo? Isso faz-se? deixar os rapazes a penar ao frio tanto tempo? Hum!!!, pensado melhor, com os constantes novos métodos de treino a aparecerem por aí, veja-se o caso do Tiago Seara a treinar com uma betoneira, se calhar com o Bruno e Tozé tratou-se de mais uma inovação, para se habituarem ao frio.

De resto nos intervalos destas coisas todas, os ddr ainda tem arranjado tempo para de divertirem à brava até a dar uns trambolhezecos, menos as vitimas que não tem achado piada nenhuma à risota da cambada e no caso do Miguel foi fazer ski na neve, ou seria sku? nos alpes suiços.

No próximo fim de semana estaremos mais uma vez presentes no Raid do Facho, até lá treinem nem que seja com uma betoneira comó Seara.

 

Os ddr pelo Raid das Masseiras

1.Decorreu hoje mais uma edição da classica prova do Raid das Masseiras. Foi a oitava edição e, como sempre, os ddr estiveram envolvidos na logistica do policiamento e sinaletica no perimetro Apulia/Pinhal de Ofir. Infelizmente esta edição que teve tudo para ser mais uma festa do btt, acabou por ter um final triste, motivado pelo falecimento de um betetista natural da zona de Aveiro. Este tragico acontecimento, como é natural, consternou toda a gente, foi bem notório o ambiente tristeza que se vivia na zona de chegada. Os ddr, associam-se à dor dos seus familiares enviando daqui os nossos pesamos.

2. Mas a vida continua, falemos agora dos três ddr que participaram no Raid das Masseiras. Comecemos por dar os parabens ao Cesar Nogueira, pelo excelente 3º lugar do podio na sua categoria. À semelhança do que nos habituou, fez uma prova à duro. Parabens campeão. O mesmo podemos dizer do Eurico Cunha, que apesar do 6º lugar na categoria – a concorrencia para o podio foi muito feroz -, fez uma prova com média a rondar os 29k/h. Só ao alcance de grandes campeões. Parabens Cunha. Falta o Miguel, que ao km 25 estava no top cem, mas acabou por estragar tudo, quando se lembrou de dar…duas voltas ao redondel, por ter seguido um grupo de dez betetistas que se enganaram no percurso. Apesar da excelente prova, fica a lição de ter de navegar pelos seus próprios meios, mesmo assim parabens pela abnegação em não desistir, isso é para os fracos. Parabens aos três ddr que tão bem representaram os Duros De Roer.