O efeito Armando?

Primeiro passou o Agostinho, o do Xiringuito, equipado à ddr, o tal que aqui há uns tempos apanhou uma coça – no dizer dele – no celebre treino de 9dezpp, em que tivemos de picar o ponto mais cedo para o Martinho honrar o compromisso feito antes de sair de casa, de que só voltaria com um frango assado p´ro almoço.

O Agostinho vindo da marginal de Esposende, pedalava em direção à rotunda da Solidal, com meneios de cabeça agitados, como se procurasse algo, por ex: alguma ave rara. Nem uma buzinadela serviu para lhe despertar a atenção e lá continuou com olhar de Lince em direção a Apulia city.

Mais à frente, demos de caras com dois X-pars, Simão(zinho) e Alexandre, acabados de deixar o cruzamento da EN13, pedalando a par em direção à marginal e, pelos trejeitos no olhar, parecidos com os do Agostinho, ficamos com a ideia que farejavam qualquer coisa, mas o quê?

Desta vez não tivemos tempo de buzinar, continuamos atentos a ver se encontrariamos mais aves conhecidas no meio dos muitos bandos que aquela hora próxima do meio-dia pululavam pela estrada depois de terem terminado as manobras montanhesas e pixeiras.

E encontramos, no sentido oposto ao nosso, em Belinho encontramos dois garbosos ddr: O Martinho na frente e o Solinho (Soares) atrás, pedalavam furiosamente.

Compenetrados a fazer rolar o pedaleiro, nem corresponderam à buzinadela amiga da saudação, só tinham olhinhos p`ro pixe e… para o horizonte.

Intrigados por ver ddr às pinguinhas, provavelmente ainda haveria mais por outras bandas, não acreditamos que os ddr deste domingo se resumissem a estes  três mas, interrogamo-nos, porque carga d`agua pedalavam em grupos dispersos e olhares esquisitos?

Será que o pombo Armando, o formula 1 dos pombo-correio, fugiu da China e não nos apercebemos da noticia e agora estavam atentos a ver se lhes saiam o euromilhões, isto é, a ver se encontravam o Lewis Hamilton dos pombos-correio? É que o Armando vale 1,25 milhões de euros, ou então estavam a tentar imitar o Armando, pelo menos o Martinho, pelo jeito furioso com que pedalava e puxava o Soares.

Apúlia, 24 março 2019

 

Pela Rota do Fumeiro

Os 37km do traçado idealizado pelos “PedalarVieira”, para a Rota do Fumeiro e por onde os oito ddr se digladiaram toda a manhã do domingo gordo, maioritariamente pela serra da Cabreira e trilhos do Javali, não foram suficientes para os defumarem, pese embora ter havido muitas ocasiões (só um ddr é que amealhou 5 pontos), o certo é que conseguiram sair da contenda ilesos e vivinhos da silva.

Como sempre, fomos dos últimos a chegar ao local da partida, mesmo assim, ainda tivemos tempo para cumprimentar os nossos amigos Nuno Gonçalves da recém-criada equipa “Team Optical+”, que prometem fazer furor em todas as provas e dos nossos velhos amigos “Gilmonde btt”.

Dos 720 participantes, segundo a organização, o recorde de todas as edições, faziam parte os ddr:  Francisco Ferreira, Emílio Hipólito, Narciso Ribeiro, Bruno Monte, António Maia, Martinho Anthony, Miguel Dias e Nelson Dias, um grupo de duros que depois da partida e enquanto era feita a volta de cortesia em redor da vila, enquanto pedalavam conversavam de tudo, das agruras da vida, da pouca vergonha de ficarmos arredados do pódio quase certo por não haver classificações para  os gajos mais bem vestidos, da psicose dos cães a ladrarem às  pessoas em vez de miarem, do Martinho…de repente ficamos sem assunto, a escalada à serra começara. A brincadeira ia começar e começou bem para um ddr, ainda com o aquecimento por terminar. Devido a uma data de circunstãncias alheias e chatas, o grupo  partiu-se em dois.

Quatro ddr comandados pelo Chico com o Miguel a morder-lhe os calcanhares, foram à vida, piraram-se e nunca mais foram vistos, esqueceram-se que não havia classificações, os outro quatro ficaram a ajudar à porrada num tronco que teimava em não sair entre o pedaleiro e o desviador da bike de um ddr e pouco depois de retomar a subida e entrar nos trilhos, ficaram engarrafados nos fantásticos single tracks da serra da Cabreira, e como não tinham hipótese de progredir e estavam bem dispostos, entretiveram-se a mandar vir com os sem vergonha que descaradamente atalhavam caminho e plantavam-se à frente de quem estava parado, sem ninguém perceber qual era a deles.

De facto, os trilhos eram fantásticos, exigiam técnica e sobretudo concentração redobrada porque ao mínimo descuido…mama mia um gajo fodia-se todo por ali abaixo, com paisagens deslumbrantes, nunca participamos numa prova com tantos kms de single tracks e nem os constantes engarrafamentos com as inevitaveis paragens esmoreceram o gozo da liberdade de pedalar pelos carreiros  apertados por entre arvores e pontes improvisadas de madeira por cima de riachos e nunca 37km demorarm tanto tempo a fazer, quase 3h, sem contar o tempo parado.

Um dia bem divertido, uma prova de btt puro, sem o stress dos tempos para atrapalhar.

Parabens “PedalarVieira”

Os oito duros terminaram o convivio à roda da mesa com o almoço.

NT: os agradecimentos ao Domingos Ladislau, por prontamente auxiliar um ddr a desencravar o pau que se alojara no pedaleiro da bike, mais tarde soubemos que era o convidado da organização e é atualmente…o campeão da europa e do mundo das 24h de resistencia em btt https://www.facebook.com/domingos.ladislau se calhar foi por isso que o pau resistiu tanto tempo a sair, eh, eh

Fotos já publicadas dos 8 ddr: