O Anthony de Vila Cova

O Martinho, o Anthony de Vila Cova, uma freguesia do vizinho concelho de Barcelos, cujo grau de importância na geografia do concelho, quiçá do país, subiu depois da construção de uma ponte. Não temos informação certa, mas a fazer fé na foto publicada no Messenger pelo Anthony, desconfiamos que o mentor e construtor da sólida ponte, que muito irá beneficiará a…passagem das burras? Bom, não interessa, tenha sido o injinheiru Martinho.

O chefe de uma equipa, ou alguém com responsabilidade num grupo de trabalho, desporto ou outra coisa qualquer, quando se esquece de enaltecer as virtudes de alguém que por qualquer motivo sobressai no seio do grupo, não merece um minuto de atenção.

Atentem no pormenor da ponte ao que se supõe construida pelo injinheiru Martinho

Sendo assim, vamos lá falar de dois ddr que se destacaram no ultimo treino. Comecemos pelo Martinho por ser um dos ddr do dia e o mais bonito e também o mais badalado por causa da tal ponte robusta que construiu na sua terra.

O Anthony é na verdade um DURO, domingo mais uma vez demonstrou que desistir é para os fracos. Saiu de casa com a roda da burra em pantanas, confiado no apelo lançado no dia anterior através do Messenger, para que o grupo não o deixasse apeado, o que é sempre um risco com a esta seita e, sem se atemorizar que o maralhal o mandasse p`ro coiso e tivesse de voltar para casa com o rabo entre as pernas, no domingo lá apareceu com a burra sem ar dentro da carrinha e ficou à espera até que, alguém teve pena dele e o desenrascou, não fez como aquele pseudo ddr que uns dias antes desistiu por ter o pneu furado.

E o Anthony continuou a dar uma lição de fair play, durante os 120 kms de treino, nunca esmoreceu nem sucumbiu às bocas quando lhe chamavam lesma e outros epítetos do género, tudo encaixava na boa, chegando mesmo a dar moral ao chefe – com algumas dificuldades de saúde -, para…. apanhar um táxi!. Tambem não era preciso exagerar.

O Martinho é assim com um  fair play do tamanho do mundo e demonstrou mais uma vez que não é por causa de uma avaria e a falta de uma caixa toráxica cavalar, para ser um grande DURO. Grande injinheiru, grande Martinho.

O outro ddr do dia, foi o chefe Filipe que apesar de debilitado fisicamente e com falta de rodagem, aguentou 106km e com AVG a ultrapassar os 29km.

Foi um treininho engraçado, para desempoeirar para os 270km até Fatima daqui a quinze dias e para os Granfondistas que vão participar no próximo domingo na Régua no Douro granfondo.

Domingo há mais, até lá cuidem-se!!!

Chloc, chloc…

No domingo passado tivemos tempo para tudo, até deu para tomar banho de imersão no rio Neiva, hoje como andamos toda a manhã ocupados durante 50km, a limar e a arredondar arestas do traçado da maratona do Luso Galaico – esse grande acontecimento de btt, que terá lugar já no próximo fim de semana nos dias 13 e 14 -, para não perder tempo, diversificamos e tomamos banho de chuveiro em andamento e nem nos importamos que a água estivesse gelada, o único problema que detetamos é que a canalização devia estar avariada, porque não havia modo de fazer parar a torrente de água que continuava a sair pelo chuveiro em abundancia e a infiltrar-se pelos buracos do capacete e depois ia por ali abaixo e como se não bastasse ainda tivemos de levar com o protesto dos sapatos até casa, bebedos da água do banho a fazer chloc, chloc.

 

Que ambiente….

1.De modo geral, todos nós temos consciência da importância da preservação do meio ambiente, mas na pratica, frequentemente essa consciência esvai-se num instante. Preocupa-nos a quantidade monstruosa das toneladas de dioxido de carbono emitida pelos grandes incendios, mas somos capazes por ex: de andar meia dúzia de metros de carro para irmos tomar café, ou fazer outra coisa qualquer, quando poderíamos faze-lo a pé ou de bicicleta, seria mais saudável e contribuiriamos para diminuir o impacto ambiental. Parece pouco e infantil mas, se multiplicarmos este gesto por milhões, muita poluição se evitaria de enviar para a atmosfera.

Como praticantes de desporto amigo do ambiente e puxando a brasa à nossa sardinha, quer-nos parecer que quem pratica desporto, sem ser motorizado, tem a consciência mais desperta para as boas praticas do meio ambiente.

No caso concreto dos ddr, que desde há muitos anos se prazenteiam a cavalgar desenfreadamente com a bike pelo meio de bosques, matas, montes, serras. Onde nos divertimos amiúde a reconquistar locais desativados cobertos de vegetação outrora acessíveis por bike, a desbravar trilhos fechados invadidos por silvas que muitas vezes nos custam uns belos arranhões.

E que bem nos sabe renovar o ar dos pulmões do esforço d`uma subida, com o odor perfumado das arvores, pinheiros, eucaliptais, salgueirais das margens dos ribeiros e rios.

Que paz do espirito nos invade, quando pedalamos pelo meio dos vales cobertos por flores campestres, sobretudo nesta altura do ano.

Que bem nos sabe tonificar o corpo sofrido e suado, das tormentas dum treino, com um mergulho, seja em “Perelhalvixlandia”, Meril, Azenhas do Minante, rodeados de vegetação como ainda domingo o fizemos nas águas calmas do rio Neiva em Antas.

Enfim fazemos aquilo que gostamos respeitando sempre o ambiente que nos rodeia.

2.Foi pois com enorme tristeza, que no nosso treino de domingo, vimos as marcas de mais uma machadada no meio ambiente. Pedalamos por entre matas queimadas, devastadas pelo incendio que destruiu tudo à sua passagem, com um cheiro intenso a queimado do ar poluído pelo fumo que saía dos muitos focos do solo enegrecido pelas cinzas, só os pinheiros ressequidos pelas chamas permaneciam de pé num cenário dantesco, à espera do golpe misericordioso para os derrubar.

Que raiva, que frustração, por ver tudo dizimado, onde tantas e tantas tantas vezes foi o local escolhido para os nossos devaneios treinantes.

Não sabemos se há culpados nesta e noutras calamidades originadas pelos incendios que todos os anos flagela o país, mas dá que pensar quando um incendio começa com três frentes, dá que pensar que quanto mais meios há para os combater, sobe o numero de incêndios.

Fotos de domingo e o inicio da época mergulhante dos ddr, desta vez no rio Neiva, na azenha do Minante.