A gala e o galo dos duros de roer

1.Ontem, foi notícia no NOTICIAS magazine: Griffin, o cão que teve direito a um diploma”, e depois? Nós ddr, tivemos dois atletas, que também tiveram direito a diplomas e não foram noticia, o jornalista se quisesse ser imparcial e patriota daria a noticia assim: “um cão na america e dois ddr em Portugal, tiveram direito a diplomas” Teriam os três o mesmo tratamento, pois nem o cão é mais do que os dois ddr, nem os dois ddr são mais do que o Grifinn.

2.Mas, já que não foi noticia, nem sequer o jornal da paróquia se dignou publicar uma linha sobre o relevante jantar de gala de fim d`ano do grupo ddr, acontecimento que teve lugar no passado dia 28, onde além das epifanias de riso do Martinho, se destaca os momentos altos da gala: a entrega de diplomas a dois, agora ddr, Carlos Ribeiro e António Soares, depois de penarem durante aprox dois anos, receberam finalmente o tão almejado diploma Duro De Roer, das mãos do chefe, e, a outro ddr Narciso Ribeiro, foi entregue também pelo chefe, o prestigiante prémio: O Cristiano Ronaldo da cambalhota 2018, eleito por unanimidade perantes os 23 membros do reino presentes no salão de festas duma unidade hoteleira com nome de animal com uma bossa, no entanto há fortes suspeitas que o Messi de braço partido ao peito, que já  contava com o ovo do dito cujo, só não foi eleito campeão da cambalhota 2018, devido a um complô da seita  influenciada por fake news.

2.Bom, mas hoje estamos aqui, não para falar dos 11 durões, nem da coça que o Carlos Figueiredo levou no ultimo treino do ano, nem daquele ddr com o diploma ainda a cheirar a tinta, que andou toda a manhã perdido só parando no topo do marco geodesico de (?), mas sim para transcrever a mensagem de fim d`ano do chefe, para quem não esteve presente na gala.

 

Carissimos duros de roer,

 Como habitualmente vou proferir algumas palavras de circunstancia e reforçar o que sempre tenho dito neste encontro ajantarado de fim d`ano.

Como habitual, saudo a presença dos nossos ddr emigrantes presentes neste jantar: Alberto Ribeiro, Carlos Figueiredo, que nos visitaram várias vezes ao longo do ano, assim como tentar repescar o antigo ddr Helder Santos, não esquecendo de enviar uma saudação especial para o nosso “sindicalista” ddr João da Silva que, lá longe continua atento a todas as manobras do reino e agradecer também a presença da ilustre e campeonissima Tãnia Serra, que nos deram a honra da sua presença.

Pois é amigos, fazendo a restrospetiva do que foi este ano p`ra nós duros de roer, foi mais um ano que passou a correr, foi mais um ano em que vivemos as nossas aventuras com o mesmo entusiasmo de sempre, continuamos irreverentes e obstinados, estamos mais refinados, dantes todos nós chegávamos ao fim do ano com a caderneta cheia de medalhas espalhadas desde o cabelo até à micose dos dedos dos pés se bem que algumas medalhas tinham pouca qualidade, agora os capotanços tem sido poucos mas de muita boa qualidade e os treinos de quinta feira passaram a ser de escacha pessegueiro até partir, com muita gente a ganir atrás dos estupores que todos nós sabemos quem são.

Em grupo ou a sós, participamos em várias provas de montanha e estrada, em aventuras ao longo do ano quase todas bem-sucedidas e digo quase porque houve uns ddr que a descer esqueceram-se de abrir o para-quedas e aterraram de focinhos nas pedras e no mato.

Tambem é verdade que passamos por algumas vergonhas, e estou a lembrar-me daquele ddr que em plena prova de orientação, deixou fugir as setas do GPS, e de outro que renegou a pátria, quando no estrangeiro se identificou como “sono italiano de milano” mas, apesar destas vergonhices, vamos continuar a divertimo-nos, o nosso grande objetivo, pois é isso que sabemos fazer melhor com o orgulho em mostrar ao mundo que somos duros de roer em qualquer circunstancia.

P´ra 2019, como é do conhecimento de todos, temos agendado novas aventuras que esperamos se concretizem, pois como disse um filosofo “Grandes realizações são possíveis quando se dá importância aos pequenos começos”

O ddr Bruno Monte, o nosso elemento mais habilitado em cartografia, já se disponibilizou para estudar o perfil do traçado e o local.

De resto vamos continuar a andar por aí e, como temos dito muitas vezes: “quem não domina a vida a sorrir, nunca conseguirá dominá-la”.

Para terminar, congratulemo-nos por mais uma entrega de diplomas a dois novos elementos agora ddr: António Soares e Carlos Ribeiro, que demonstraram ao longo de dois anos que tem o feeling, pancada e o ADN da seita.

Terminemos com um brinde aos novos elementos ddr e a todos nós.

Boas entradas e bom ano 2019

O Chefe

Filipe Torres

Algumas fotos da gala dos ddr de 28dez2018

 

Granfondices dos ddr pelo Douro Granfondo 2018

1.Amanhã dia 12, começa a tradicional incursão a Fátima em bicicleta pelos ddr, a 17ª, tem sido sempre assim por esta altura do ano. Esperamos que tudo corra pelo melhor e que o obstáculo de Mira seja ultrapassado sem incidentes de maior, depois falaremos como as coisas se processaram mas, agora vamos falar das granfondices dos 5 ddr que participaram no dia 6, no Douro Granfondo 2018

2.Já passaram quatro dias em que a Régua foi literalmente invadida por ciclistas, não só oriundos do país, mas também de outros países. Manhazinha cedo, de qualquer rua, beco, parque, saiam ciclistas com os seus equipamentos multicoloridos, aos magotes dirigiam-se para a concentração da partida, onde se iria realizar a aventura pelas estradas que serpenteiam os famosos vinhedos do Douro, património da humanidade, impressionante olhar para o pelotão a perder de vista com 3000 e tal ciclistas distendidos pela margem do rio Douro.

Na box da frente, a VIP, entre convidados, faziam parte os ilustres campeonissimo Alberto Contador e o ex campeão do mundo Rui Costa, Vitor Gamito e o eterno Venscelau Fernandes. Na box`s seguintes, lá estavam os fregueses do costume, os dois ddr, o Cesar em pulgas para o arranque e o Bruno descontraído como é seu timbre,  separados por trezentos metros de distãncia, mais três ddr, Tozé e Narciso, estes em duvidas qual percurso escolher quando chegasse a hora da separação, um pouco mais atrás, o Cunha, emprestado à equipa do Bruno Filipe, a Maulini Sa, vindos expressamente da Suiça, com a certeza de que desta vez não iria espremer o caparro, o bom senso aconselhava a pedalar em equipa e foi isso que fez.

Dada a partida, tivemos de esperar mais 8 minutos até chegar a nossa vez. O desafio tinha começado.

Com andamentos diferentes, cada um foi à sua vidinha. Ate ao Pinhão foi sempre a voar, depois apareceu a desconfortável tremideira do pavé, os bidons saltavam do suporte como rolhas de champanhe até voltar à normalidade do pixe. A primeira subida até ao alto de Sabrosa, foram 10kms sem dificuldades de maior. Ouvia-se falar castelhano por todos os lados, os tombos começaram a surgir, dois ciclistas hipnotizados pela paisagem pararam bruscamente para a admirar, esquecendo-se de quem vinha atrás, felizmente ninguém se magoou, já na descida para Cheires foi diferente, não obstante os avisos de perigo, aconteceram alguns acidentes com consequências físicas e mecânicos.

Ao km 42 no inicio da subida para Cheires, a bike do Tozé fez finca pé e… pum, foi uma vez uma roda que ficou em fanicos, deixando o Tozé apeado, inconsolável, ficou a aguardar que o apoio mecânico lhe emprestasse uma roda para completar a odisseia duriense, a espera demorou no dizer dele, uma hora até reiniciarem – Tozé e Bruno -, a subida até ao alto de Cheires a 3 kms de Favaios. E tudo voltou à normalidade.

3. Os 15km a descer desde Favaios, com o vale Mendiz à direita foi simplesmente espetacular, proporcionou uma diversão do caraças, quer pela beleza do vale, quer pela estrada larga sem curvas traiçoeiras, deu para o gajo que escreveu estes rabiscos assapar na burra até mais não, vingando-se dos gajos que o ultrapassaram nas subidas. Estava tudo a correr bem e nem a passagem de novo pelo km por paralelo do Pinhão depois da vertiginosa descida, esmoreceu os ânimos para o que daí a pouco adviria, no entanto enquanto pedalávamos pela 222, persistia o formigueiro com a estuporada subida ao alto de Vacalar que ainda faltava, para mais ouvindo um pequeno grupo da frente a jurar que não queriam saber de mais subidas e iriam direitinhos à Régua, foi o suficiente para despertar os diabinhos que começaram logo sussurrar aos ouvidos para que seguisse o grupo de cobardes, felizmente os diabinhos não levaram a melhor e foi à duro de roer que trepamos os 9 kms, o pior obstáculo de todo o percurso até Armamar mas, o facto é que não foi assim tão duro, afinal ainda deu para o Tozé fazer o cavalinho para a fotografia e o Cunha rebocar/empurrar um Maulini Sa, com algumas dificuldades físicas.

Os derradeiros 25 km, em plano e a descer, foram bem divertidos, agora a três, foram feitos num ápice sempre a rasgar pano até à meta, onde o César há muito tinha chegado, fazendo jus dos pergaminhos de campeão com o notável tempo de pouco mais de 3,5 horas, sendo o 23º da classe. Parabens campeão. Estava assim concluído o 4º Douro Granfondo para os ddr.

4.Em suma, foi um dia divertidíssimo, foi uma festa até à hora da partida, uma festa durante a pedalação pelas estradas sinuosas com troços traiçoeiros, com paisagens fantásticas e uma festa depois com toda gente feliz por ter terminado sem percalços de maior, a contar as incidências da aventura todas positivas, só foi pena a estupor da roda da burra do Tozé não ter colaborado.

Nos anais dos ddr, o dia 6 de maio de 2018, ficará registado como um dia top de festa do ciclismo de estrada que o Douro Granfondo nos proporcionou, considerada já a maior prova de ciclismo do país – 3100 participantes inscritos segundo a organização -, só possível com uma organização de qualidade, a que a Bikeservice nos habituou. Parabens Bikeservice e parabéns a todos os ddr e aos familiares acompanhantes.

Algumas fotos dos ddr e outras curiosas

Mensagem do Chefe!

Realizou-se no passado dia 28, o tradicional jantar de fim de ano dos Duros De Roer. Todos os pares do reino estiveram presentes e como sempre, o repasto decorreu calmo e animado.

Os momentos altos do convívio, foram a entrega de diplomas a novos membros do grupo, que todos os anos continua a crescer, este ano com mais três elementos, sinal de que os ddr continuam de boa saúde e cheios de vitalidade.

O outro momento alto, foi a caça aos faltosos com as quotas em atraso pelo ministro das finanças Chi…, desculpem não era isto que queríamos dizer, foi a mensagem que o chefe dirigiu à turba (que transcrevemos abaixo na integra) e com a entrega de troféus, virtuais – para não correr o risco de retorno e levar com eles na cabeça – A todos os ddr`s BOM ANO

 Mensagem de Sua Exª o Chefe dos duros de roer

1. Carissimos duros de roer, só algumas palavras, como se impõe neste encontro ajantarado de fim d` ano.

Começo por saudar a vossa presença, saudando ao mesmo tempo os nossos companheiros ddr, Carlos Figueiredo, João da Silva e Virgílio Fradique, que, longe do nosso convívio, como verdadeiros ddr`s continuam a par do que se vai passando no reino dêdêrriano.

Depois das saudações, congratulemo-nos por mais uma entrega de diplomas a três novos elementos: Cunha, André e Miguele (e a 2ª via ao Carlos Figueiredo ddr desde 2010), o reconhecimento pela forma (im)perfeita como se integraram no grupo. Foi a oficialização, porque na prática, já há muito que provaram que têem aquela coisa distúrbica/psiquica tão necessária para serem ativos da seita, como diz o filosofo quem não tiver algo de poetico e de louco não estará de bem com a vida. Bem-vindos companheiros.

2.Meus amigos, vamos fazer do convívio desta noite, um ensaio do que cremos será no futuro. Deixará de ser a comezaina de fim d`ano e passará a ter um nome mais pomposa por ex: jantar de gala para a entrega de prémios duros de roer, que tal? Como sempre estou recetivo a outras sugestões.

E é a pensar no futuro, que sem demoras, vamos entregar prémios, ainda que virtuais – no futuro talvez sejam físicos -, a todos os ddr por aquilo que mais se distinguiram ao longo do ano.  Vamos começar pelos ddr mais antigos no grupo:

Não sabemos se o Filipe, alguma vez tentou arrumar as coisas direitinhas nas respetivas gavetas, o que sabemos é que a desarrumação continua, por isso tem direito ao prémio “O ARMÁRIO MAL ARRUMADO”.

Ao Chico, seria atribuído o prémio “A LUVA DE BOXE DA MÃO DIREITA”, para dar um murro ao Tozé, quando este se aproximar dele a pedalar num estradão qualquer.

Ao MANEL, o prémio “UMA TOMADA DE ISQUEIRO P`RO CARRO”, que é para não termos de ouvir a publicidade da rádio do carro a shampõs e bacalhau, aquando dos passeios de pais Natal.

Ao Emílio Santos, como gosta pouco de montanhar, terá de ser um prémio de pixe, que tal “O PIXELEIRO”?

Ao Celestino, vamos dar-lhe o prémio “O TRAIDOR” e porquê? Perguntam vocês todos, porque em vez de passar a mão pelo pêlo aos dois ddr engalfinhados na descida ao sarrabulho, desatou a rir até mais não poder

Ao MILO, pela persistência em agarrar um dos lugares do pódio, nas provas em que participou, qual gato atrás do cachorro, ou cachorro atrás do gato, mesmo que não tenha chegado lá, o prémio “AQUELA IDEIA”, indubitavelmente é dele.

Ao PAULO SANTOS, assim de repente o que nos acorre em primeiro lugar, foi aquele malho monumental na descida ao sarrabulho e, embora não fosse o melhor trambolhão do ano, foi um bom malho, daí o prémio “A ASA PARTIDA

Ao Futre, forçado a mudar de paradigma pela contingência da puta da vida, passou de meio diabo a meio anjo, será atribuído o prémio “O NOVO ANJO”, mesmo assim fica obrigado a contar a história do urso ao Miguel.

Ao Narciso, oh, depois daquela imitação rasca como na canção do Jardel a voar sobre os centrais, com o aterranço de focinho no pixe da Estela, confirmado logo de seguida no Rio Alto com outro pixe-aterranço-parte-forqueta-e-a-tromba, o prémio “ARREBENTA-A-BURRA”, é dele por inteira justiça

Ao César, o troféu a este indómito duro, por aquilo que o vimos fazer durante ano, a voragem dos 5 cumes, os granfondos, as montanhas roídas em frança, mama mia, seriam necessários vários coisos de troféus para o distinguir, mas o júri escolheu e escolheu muito bem, é-lhe atribuído o trofeu “O COMEDOR DE MONTANHAS

Ao Bruno, grande duro, dos mais resistentes, dos dois prémios “O DURO SOLITÁRIO” ou “O GEL MAL DIGERIDO”. Pelas muitas provas, as mais duras a nível nacional, que realizou a solo representando os ddr, optamos pelo prémio “O DURO SOLITÁRIO”, é sem dúvida o mais adequado e não merece de todo o do gel mal digerido por lhe ter provocado distúrbios intestinais durante o Porto Granfondo.

Ao Tozé, este é fácil, tal comó prémio da luva da mão direita entregue há pouco, a outra luva dará direito ao troféu “A LUVA DE BOXE DA MÃO ESQUERDA”, para dar um murro em forma de gancho ao Chico, quando este se atrever a aproximar dele a pedalar.

Ao Seara, um duro top, com provas dadas, temos ultimamente notado que anda com pouca faísca. Serão os efeitos psicossomáticos a vir ao de cima depois daquela aparatosa colisão frontal na frente ribeirinha de Esposende? É possível, por isso o prémio “BATE NA BURRA DA SENHORA

Ao Solinho, este prémio foi difícil, porque este estupor é certinho, sorrateiro ninguém dá pelos seus deslizes, que também os tem, portanto só pode ser o troféu “NÃO DOU ABÉBIAS”

Ao Marco, a atribuição do prémio a este duro, não foi fácil, ou antes, por ser tão fácil, tornou a escolha difícil. Bem sabemos que este duro não é certinho. Alheado do mundo que o rodeia, é frequente quando chegamos ao fim de uma qualquer escapadela, seja ela treinante ou não, não fazer a menor ideia do que andamos a fazer. O prémio “PISCA PISCA”, por causa da intermitencia achamos que lhe fica bem.

Ao Almeida, tal comó Solinho, também não dá abébias com deslizes de encher o olho. Do que lhe conhecemos é que quando está bem hidratado acelera muito bem e até é capaz de cantar a canção, oh ai ó linda…depois deixa-se levar na crista da onda sempre em alto estilo. O prémio será “ SEM ESTRILHO

Ao Martinho, grande mula do Finisterra, artista do engate, ninguém esquecerá tão cedo como saiu incólume de levar uma chapada depois da aplicação explicita com que angariou passageiros para o autocarro em Ponte de Lima, mas, pela dança no tablado no ultimo treino fica-lhe bem o trofeu “JOAQUIN CORTEZ DO MONTE DO DESESPERO DE VILA COVA

Ao Cunha, o speed Gonzalez do asfalto e da montanha, jamais esqueceremos o tempo supersónico com que nos brindou no Transcávado e outras provas de igual jaez todas com direito a pódio e, também ficamos a saber que é um bom rolador, como fez questão de o demonstrar, quando se despistou no trilho do rio Neiva e rolou dez metros sem a burra em direção ao rio. O troféu “EL ROLINI O FABULOSO”, é dele com inteiro merecimento.

Ao André, recentemente armado em baby sitter, depois do feito impressionante e a fazer fé no testemunho de um duro, que o viu a dormir enquanto pedalava monte acima no Finisterra, o troféu sonecas seria dele, mas como o cão do Tozé pode ficar melindrado, vamos atribuir-lhe o ,prémio “AS MIL E UMA MANEIRAS DE DORMIR A PEDALAR

Ao Miguel, o agora empossado membro de pleno direito dos ddr`s, que brilhou durante toda a recruta, brilhou como chef – ai aquela delícia de paella -, brilhou nos gritos de Ipiranga, brilhou a pedalar, brilhou a dar malhos, só chumbou na pista de obstáculos dos carris, mesmo assim será com todo o mérito que que lhe será atribuido o troféu “A ESTRELA DE AÇO INOX

Ao João da Silva e Berto, por saírem do avião já equipados à ddr, quando nos visitam e só pousarem as malas depois de fazerem um treino com a cambada a contragosto será atribuído os troféu “AI É TÃO BOM, NÃO FOI?”. Grandes duros.

Ao Carlos Figueiredo e Virgilio Fradique, bem sabemos que estão longe e se o Carlos fez prova de vida pelo menos uma vez este ano, quando integrou a cambada num treino, o Virgilio-chocolate-e-caramelos-com-pó-de-pedra-fora-do-prazo, não fez, por conseguinte, o trofeu “MEIO FERRO, MEIO LATA”. Virgilio ou apareces ou serás banido do reino, para tua vergonha e nunca mais vais picar pedra,

3.Espero que tenham percebido agora, porque é difícil eu como chefe, ter o armário arrumado.

4.Para terminar, para o próximo ano, não há previsões e como disse há um ano, o caminho faz-se caminhando, participaremos decerto em algumas

aventuras, aventurando-nos, faremos o que tiver de ser feito, contudo temos algumas datas agendadas de que já tendes conhecimento, o resto logo se verá, navegaremos com terra à vista.

5.Terminemos com um brinde aos novos elementos ddr, e um brinde aos nossos defeitos porque as nossas qualidades nenhum filho da puta as reconhece.

A todos, umas boas entradas

Boas festas!

O Chefe Filipe Torres

Algumas fotos do dia 28:

Dia da Marinha

Ontem alguns ddr`s fizeram um manguito aos treinos e rumaram a outras paragens, como por exemplo Fafe, para assistir ao rally de Portugal.

Um pulou a cerca para participar no desfile do dia da Marinha que este ano se realizou em Vila do Conde e Povoa de Varzim. A nostalgia foi grande, sobretudo quando as unidades navais desfilaram perto da costa.

Desculpem lá mas hoje o video não tem rodas.

 

Nomes & Nomes

Como o dia d`hoje esteve mau, pouco propenso para o pedal, menos para o Eurico Cunha que depois de Ponte de Lima voltou a tomar um banho de lama em Barcelos no “ARCA Challenge”, deu-nos para divagar, ao som da chuva, sobre…nomes.

O nome de uma pessoa por mais invulgar que nos pareça, como é evidente, não define o carater de quem o usa mas, dá que pensar a quem inventou  nomes como: Baptista Qualquer Rato; Escuridão Madeira Oficial; Arranca Sozinho, ou este publicado num jornal de Moçambique a anunciar a missa do sétimo dia por Domingos Três Quilos de Sorvete.

É de crer que estes nomes esquisitoides, no dia em que foram registados, as pessoas envolvidas não estivessem no seu perfeito juízo, o funcionário do registo fosse surdo, ou estivesse com os copos e percebesse tudo mal.

No pessoal das bikes, a coisa é um pouco diferente, embora não enjeitemos também a possibilidade de alguns nomes serem criados em circunstancias copofonicas, seja como for, o que não falta à tribo das bikes é imaginação para criar nomes com impacto para as suas equipas e, foi por acharmos que estes nomes malucos são reveladores do perfil do grupo que, desde há uns tempos para cá temos tomado nota de nomes divertidos que vimos por aí estampados nas camisolas envergadas por cyclists, ou inscritos em diversas provas de btt e estrada.

Agora façamos o seguinte exercício, se todos participassem na mesma prova, como seria a ordem de chegada, a fazer fé nos nomes:

Em primeiro lugar cortariam a meta os:

– Abram Alas btt ;X-pares; L Rapidos; Balas 29 bike team; Sempre a 30; Kbalas; Asas Abertas btt

Em segundo lugar o grupo dos 100:

– 100travões; 100subidas btt; 100medo BTT; 100ideias btt; 100rasto; 100team; 100equipa; Semnome; 100limites; Btt 100trilhos; 100pedal team; BTT sempratas;100pneu BTT Team; Biklas 100pressa

Depois os gajos das rodas:

– Bai k rodas team; Força sobre rodas; Irmandade da roda; Rodinhas BTT; Penaroda; Tounaroda; Amigos da Roda; Amigos das duas; Rodanoar; Clube na roda da ana Rocha; Fluxus Roda Solta; BTTGaz na Roda; Javalis das 2 rodas

…e os do pedal:

Dar ao pedal; Brigada do pedal; Viciados do pedal; Pedais em fuga; Ases dos pedais; Quadrilheiros do pedal; PedaisD`aço; Pedais da Nó; Os Galos do Pedal; ACDAR ao Pedal; pedalar bike team; Tupedala.Cat btt

Em quinto lugar cortaria a meta:

– Diabos da Tasmânia; Rangers do btt; Xaimites Btt; Terrores da Montanha; Tomba Montanhas btt; Os Fura Montanhas; BTT abutres do douro; Forte Corrente BTT; Giga BTT; Forma Destemida bike team

E logo atrás:

– CaBalus; BTT Ursos; Os Cornos Mansos btt; Cães do monte; Chupa-cabras Bikermensbtt; Monta Nelas Binas; Calca Folhas; Fura & Segue; Nesse & Arrece; Desnivelados; Puxa Puxa; Apendices Peregrinos

…e o grupo dos solitários:

Bininho do gás; Vadio; Cromo; O particular; Canguru perneta; O puto; A; O Soma maratonas; Conta Propria; Ser Humano; Propensão; BTT SoVouSeOOrlandoFor

Seguido pelo grupo dos certinhos:

– Oiteameia; BTT às 9; BTT às 9:15; Associação btt 9:15 ; Às onze no Farol; btt Sextas & Noites

Já na segunda metade da corrida, a coisa começaria a ficar mais interessante com a chegada destes grupos:

– Bora la a esta; Não|Não; TrisTesmAsDuros; Nem que faça sol!; K Mara btt; Se Fosse Fácil Eramos 20; Os Dez Mais; Venha a próxima btt; Os Come Kms

E estes:

– Amigos das Puçadas; Amigos da Marreta; Doidos por lama;; Rola EsToNa-Te; Crude btteam; BTT tenros; Indios do Monte; Maus Caminhos; Boutrilhos; Time-quertrepar o monte acima; Os da Vigairada; Pó na Lama; Tombós duros

Mais atrasados, cortariam a meta:

– Preguiças; Atrasados bike team; Os tartarugas; Kaunssadosdapartida; Touquenemposso btt; Bai indo K`jala bou ter; Arejar o capacete; Os queimados BTT; NasCas team;Bike ou nem vai; Castro Barbudos; Um Bom, Dois Cansados; Café das Gajas Team BTT; BTT Soltem As Cabras

…e ainda mais atrasados o grupo mais numeroso:

– BCG-Bikes Cultura e Gastronomia;Tachinho da Té Tabuaço; Tascas dos Sabores; Supers Bock; Amigos do Frango; FrangosEmXurrasco; BTT porco no espeto; Bikes, Trilhos e Tascas; Tasqueiros; Casal Garcia; Amigos do Caneco; Team Caneco; Bike drink team; Comes & Bebes; Team da bifana; BTTaskas; Touras btt; Pedal Beer; BCM Bagaço com Mel; Bebe-se em todas as Tascas; Bttasca do Xico; Os Febras; Bêjo-Te Numa Tasca

É claro que a seguir, só podia ser o grupo dos:

– Empenados time; Arrota bikes; Encontramão; Bate na burra; Estoira bikes; Caganisso btteam; Sostroba; Quebraritmo; Maus Caminhos; Haitombos; Kunalama; Club bttombos; Malhos team; Kedasbikes; Parte Raios; Borrabotas team;Aleijados Team; Bais Na Bike

Finalmente chegariam ao fim o grupo dos:

– Jarretas BTT Team; Os Reumaticos; Cãibras team; Cudoridos; Rôtos; Mólinhos bike team; Team Xonés; Os Lentos; Fraquinhos do BTT; Tá bonito
; Os Coça a Micose BTT; Caracóis do monte e Coxos do Pedal

O ultimo só podia ser

BTT Genericos de Marca Branca

Ah, e os durosderoer? Em que grupo se integrariam? Esta é fácil, pois tem elementos para todos os grupos

Agora digam lá se o pessoal das bikes tem ou não tem, muita imaginação?

As leis!

1.Que seita enorme apareceu ontem no treino, assim, sim, até dá gosto dar uns trambolhões bem dados, ou ir de encontro às pedras, mas sem as conseguir arrancar, como aconteceu ontem pelos espetaculares trilhos do próximo Luso Galaico 2017. Ah pois, já se trabalha nesta importante maratona, que se realizará, como sempre, no ultimo fim-de-semana de abril.                                                                                                                                                                                                                                                                                                 Mas, o que de mais importante aconteceu na semana passada e disso vamos informar o mundo, foi a aprovação da lei dos 5. E pergunta quem não esteve presente: – o que é a essa lei?  E perguntam muito bem, mas se quiserem saber mais pormenores contactem com qualquer ddr, porque depois de lerem este texto, ficarão a saber o mesmo, ou seja, nada.

2.O treino da ultima quinta, vésperas de S.Martinho, foi anulado por causa da reunião da assembleia geral, convocada expressamente pela administração, para debater importantes leis que regulamentarão o futuro, que se crê, ainda mais risonho que o presente, para o bom funcionamento do grupo. Bastante concorrida, a assembleia começou, algo atribulada por força de perturbações inesperadas surgidas à ultima da hora – seria uma sorte se não as houvesse -, começou cedo, à meia-noite já se discutia o primeiro assunto, o mais simples, ainda para o corrente ano. Praticamente sem contestação foi aprovado na generalidade e ficou conhecido como o assunto 29 do 12, para os  ddr`s emigrantes estarem presentes.

O segundo tema da ordem de trabalhos, o mais bicudo e melindroso, foi convencer a assembleia para uma nova lei, este sim um tema que deu pica. Num clima acalorado, de t-shirt  e mangas arregaçadas, com as paredes a escorrer água, os acólitos do reino dêdêrriano, ouviram expectantes os pormenores da proposta da administração para que fosse aprovada e aplicada a lei dos 5. A oposição contestou-a imediatamente, considerando-a mesmo um atentado ao património dos servidores do reino, gerando discussões sem fim,  vociferava-se e os proponentes iam recordando que era tudo para o beneficio dos pares do reino, para quando estes em visitas oficiais se deslocarem ao estrangeiro. Ao fim de uma hora continuava-se a esgrimir argumentos: de um lado, defendia-se tenazmente a aprovação da nova lei, contra outra a favor do não enquanto uma pequena franja observava perdida de sono o relógio a ver quando as escaramuças terminavam, mas o raio do consenso teimava em não aparecer. Por fim com os argumentos esgotados, a tocha lá se acendeu e houve luz, embora ténue e a lei dos 5, passou, ficando assente desde logo, que quem não aderir a esta lei, ficará fodido e terá que sofrer as consequências. Por causa de coisas, a lei 5 foi imediatamente promulgada e entrará em vigor no primeiro dia do próximo ano.

Cansados, o terceiro assunto sobre o fardamento foi meramente informativo e vai ser sujeito a concurso. Os pormenores serão revelados brevemente. E já não houve tempo para discutir mais leis, o que foi pena. Às 03h20, do dia de S.Martinho, foi encerrado os trabalhos da assembleia para o trimestre do próximo ano. O bom disto tudo é que ainda temos pelo menos mais três trimestres para discutir.                                                                                                                                                                                                                                             Resumindo, foi porreiro, discutiu-se comó c****, comparando as discussões, mesmo as mais inflamadas da geringonça com os outros partidos da assembleia da república, com a assembleia do mundo dêdêrriano, os da republica não passam de aprendizes.

3.O próximo fim-de-semana, prevê-se uma agenda muito intensa: no sábado temos a Descida ao Sarrabulho em Ponte de Lima; no domingo o duro Raid de Curvos e o Trail dos Amigos da Montanha em que mais uma vez dois ddr`s juntamente com outros apulienses top, irão participar ao mais alto nível. DDR`s vamos lá gerir isto como deve ser, okay?

A silly season

dsc_0123
João da Silva, o ddr mais recente

1.Faltam poucos dias para terminar o verão, a época de férias por excelência está a terminar, três meses de silly season, um estrangeirismo que os jornalistas gostam de usar para lembrar que é a altura do ano em que as coisas mais parvas acontecem e que aos privilegiados que tem férias é-lhes permitido fazer mais disparates que nos outros meses, sim privilegiados, porque há muita boa gente que não pode gozar férias nesta altura e outros obrigados prescindem delas para fazerem uns biscates que lhe permitam angariar mais uns eurecos ao fim do mês para tapar o esperado buraco no orçamento doméstico com os gastos excessivos com toda a parafernália dos putos na rentrée na escola ou universidade e depois há sempre mais qualquer coisa a juntar-se à festa que acaba em definitivo com a ténue esperança de gozar pelo menos  alguns diazitos de férias, que tanto pode ser o arranjo da carripana, a reforma da máquina de lavar que meia volta endoidece aos pulos a dar cabeçadas contra a parede da garagem, ou um frigorifico que declarou guerra ao frio, um esquentador papa-gás, a ameaçarem dar o berro a qualquer momento, e… trocar de bike ou na melhor das hipóteses artilha-la com o material mais in do mercado, mas este é um assunto muito delicado que nem devíamos e não vamos falar nele e já se sabe que para estas coisas é preciso carcanhol e o deve e haver do pré ao fim do mês é à justa e o subsídio do 13º mês não estica e se queremos mesmo um orçamento retificativo para fazer face a estas desgraças, não resta  outro remédio senão vergar a mola nas férias, nem que seja a arrumar carros.

2. E os ddr que disparates fizeram nas férias?
Mesmo com alguma falta de mão-de-obra, que sempre acontece na tal silly season, os durosderoer nunca deram tréguas às burras e aproveitaram muito bem os meses de verão para parvoniarem-se por aí: em  julho, na companhia do mais recente membro ddr João da Silva, sobressaiu aquela tentativa do sub chefe, durante a rota dos melões, para derrubar um muro de betão, mas o máximo que conseguiu depois de abalroar a fat bike do Cunha foi uns esfarrapanços  jeitosos;

Em agosto, o king`s stone da Corsega Virgilio Souto, um projeto de ddr sempre adiado, rendeu o João da Silva – que entretanto regressou às americas -, pedalou connosco com o intuito de ser programado para cumprir a promessa de 260km até à Cova da Iria e a coisa deve ter sido tão traumatizante que o Gilo`s stone depois da promessa cumprida, nunca mais foi visto a dar ao pedal, consta que mais tarde queixou-se que a culpa foi nossa porque o abandonamos como se fosse um rafeiro, o que é totalmente mentira pois sempre o consideramos como um perdigueiro.

14258258_1109891202425811_5486219304260516352_o
Bruno Monte em pleno no Vila do Conde Peneda Gerês

O Bruno Monte, com o barómetro da forma a subir em flecha a cada dia que passa, coube a responsabilidade de representar o grupo durante os três dias do Vila do Conde – Peneda  Gerês Extreme btt e devorar os trezentos e tal kms  de comprimento de ida e volta, portou-se tão bem, que ao fim de uma semana já estava quase recuperado da coça dos sete mil e quinhentos  metros de acumulado. Campeão.

Um quarteto formado pelo Chefe, Futre, Seara e Arsénio cumpriram mais uma vez a tradição anual da subida à Sra do Minho e a descida pelos trilhos macacos parte-costados-e-burras, até à meta no Caçana, distinta tasca em S.João da Montaria, especializada em sangria e petiscos, onde este quarteto que não foi lá só para brincar, lhe infligiu um rombo de grau 8.

Outro quarteto de top`s; Emilio Santos, Tozé, Bruno e Arsénio, fizeram jus ao nome do grupo, escolheram o dia mais quente do ano, para subir o Cerquido até à serra D`Agra, só p`ra duros ou doidos, depois queixaram-se – pelo menos um – que ficaram mal dispostos, mas não foi por causa do calor, ou seria?.

14051819_10208500922653996_2851080594450649438_n
O quarteto do Caçana

No principio deste mês, os ddr pularam a cerca e foram curtir durante dois dias, os sons da natureza da Proriver na Barca do Lago. Foram dois dias porreiros, envolvidos com trails e canoas mas houve duas coisas que não correram bem.

No primeiro dia, o sub chefe prometeu aos participantes durante o duatlo, que haveria cerveja a rodos num determinado ponto e quando fossem a descer o rio nas canoas  os iria apedrejar da margem, mas foi só bluff, não cumpriu a promessa, para frustração de quem andou a juntar pedras e quem ia sendo apedrejado era ele por faltar com a cerveja.

No segundo dia, os ddr e a dupla Otávio e Esferobite (que raio de nome), fizeram-se convidados da Proriver e desceram o rio nos kayaks. Entusiasmados começaram a pagaiar freneticamente, pouco se importando com aquela coisa de remar sincronizados e foi neste frenesim desacertado que um eminente ddr deixou cair uma chave à água. Desolado, já em terra, prometeu que daria o corpo ao manifesto a quem por ventura – era como achar uma agulha num palheiro – a resgatasse do fundo do rio. Com um prémio tão tentador, toda agente afinou as pestanas e foi para a

dsc_0165
Chefe atento e previdente
sem-ti
kim kipa pazinho

área onde o estupor da chave se amandou borda fora da embarcação e, por incrível que pareça, não demorou muito que um ddr, com visão telescopia e propensão para milagreiro a encontrasse. Com a chave na mão o nosso PRO Bruno, de imediato e com toda a legitimidade reclamou o manifesto ao prometedor de promessas, mas não teve sorte.

Assim não vale e fica o aviso: as promessas são para ser cumpridas e quem as proferir em em vão pode ter vários azares, ser vitima de pragas e mau olhado e depois o grupo fica mal visto.Tá feito o aviso

3.No domingo passado, ainda com o nosso PRO de estimação o indómito César Nogueira, um grupo enorme de ddr como há muito não se via, cavalgou por entre pinhais queimados e outros ainda em fase de rescaldo – infelizmente vai ser por muito tempo esta a imagem que se nos irá deparar durante os nossos treinos – até à Sra da Guia e deu-lhes na bolha de descer por um trilhos parte-costas, o costume, felizmente só dois é que tiveram o bom senso de se mandarem para cima das pedras, mas só valeram os pontos para o recruta Martinho e hoje ultimo fim de semana de verão não havia necessidade dos pontos que o Milo angariou no game over da Franqueira.

4.E assim terminou três meses de silly season, para os ddr ainda faltam mais nove. Agora venha o outono e o dia 5 de outubro para a fazermos a rota dos trilhos sem sol, é já daqui a duas semanas e o nosso guia já está contratado.